Publicidade

Arquivo da Categoria EaD

sábado, 16 de novembro de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 15:31

Algoritmos e profissões

Compartilhe: Twitter

 

Se a era atual tem um nome, esse nome é “algoritmo”. Trata-se de uma sequência de instruções que informa os computadores o que eles devem fazer. Computadores são compostos de muitas chaves minúsculas, os transistores, e os algoritmos ligam e desligam tais chaves bilhões de vezes por segundo.

 

A novidade mais recente é que não precisamos mais gerar um algoritmo por tarefa, substituindo essa missão pela construção de máquinas que aprendem (em inglês, machine learning). Machine learning é um subcampo de inteligência artificial dedicado ao desenvolvimento de algoritmos e técnicas que permitem ao computador aprender continuamente, aperfeiçoando seu desempenho.

 

Os algoritmos controlam os voos, gerenciam nossas contas bancárias, gerenciam ambientes de aprendizagem, detectam enfermidades etc. Esses algoritmos, progressivamente, operam por aprendizado a partir de trilhas de dados que deixamos nas interfaces digitais. Assim, somos observados, imitados e mensurados em nossos comportamentos.

 

À medida que, cada vez mais, os algoritmos controlam nossas vidas, a pergunta essencial é: quem são os profissionais que lidam com essas tarefas? Há um conjunto aberto de profissionais associados a essas áreas e a título de ilustração apresentarei, a seguir, alguns deles. Mas, trata-se de lista, declaradamente, incompleta.

 

De forma simplificada, os coders e programadores podem ser formados em ensino médio profissionalizante ou como tecnólogos de nível superior. Engenheiros ou cientistas de dados demandam cursos superiores. Um conjunto adicional de profissionais, tal como arquitetos de sistemas, em geral, se formam em nível de pós-graduação. A acentuada dinâmica desta área sugere que boa parte deles será formada via educação informal, distante das instituições de ensino, como nós as conhecemos atualmente.

 

Os coders escrevem códigos simples, sem o compromisso de planejar e desenhar programas mais complexos, gerando resultados de interesse prático. Em algumas circunstâncias, os coders sequer participam da programação principal, ainda que colaborem nos scripts adicionais que automatizam algumas tarefas específicas.

 

Se o coder passa a dominar de forma diferenciada e mais aprofundada uma ou mais linguagens de programação computacional, ele vai se transformando em um programador.  Os programadores, mais do que seguir receitas, escolhem ingredientes e geram produtos inovadores, o que envolve, normalmente, um nível adicional de originalidade. Trata-se de criar com lógica, via uma linguagem específica de programação.

 

Os engenheiros ou cientistas de dados estão entre os profissionais mais cobiçados do mercado atualmente. Estes profissionais combinam habilidades de programação, ciência da computação, estatística e conhecimento específico do negócio ou da missão. Tal perfil é difícil de ser encontrado, especialmente no mercado brasileiro, o que tem resultado num aumento considerável nos salários pagos aqueles que dominam mais profundamente a arte da análise de dados.

 

A maioria dos gestores não faz ideia do tesouro que os dados representam e bastante comum serem desperdiçados sem uso. A correta coleta, organização e o domínio das análises fazem do engenheiro de dados uma figura essencial em qualquer campo de atividade atualmente. Os engenheiros de dados transformam os dados brutos, desde bancos de dados transacionais até arquivos de texto, em formatos que permitam ao demais profissionais associados começarem seus trabalhos.

 

Os arquitetos de sistemas, por sua vez, lidam especialmente na interface dos aplicativos ou dos softwares e suas customizações no atendimento de clientes e na consecução de tarefas.  Por exemplo, na IBM os clientes são tipicamente corporações, sendo estes profissionais os principais responsáveis por garantir que as soluções durem por certo prazo, dando o devido suporte nos elementos de designer de estruturas de softwares.

 

Na verdade, a maior parte das profissões associadas ao mundo dos algoritmos sequer tem nome ainda, muito menos conhecemos os seus respectivos detalhamentos. Ingressamos aceleradamente em uma nova era, com consequências econômicas sociais e educacionais profundas. O quanto antes ousarmos tentar compreender melhor.

 

—————–

Ilustração do Jornal “The Guardian”. Link: https://amp.theguardian.com/us-news/2017/jun/26/jobs-future-automation-robots-skills-creative-health

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 15 de outubro de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:30

QUALIDADE EM EDUCAÇÃO A QUALQUER DISTÂNCIA

Compartilhe: Twitter

 

 

Fredric Litto (1) e Ronaldo Mota (2)

 

A Educação a Distância (EAD) é, usualmente, caracterizada como sendo a modalidade na qual os procedimentos educacionais são mediados por tecnologias, em contextos nos quais os educandos e os educadores estão separados, espacial ou temporalmente.

 

EAD é mundialmente reconhecida como ferramenta educacional estratégica na ampliação do acesso e da permanência, em especial no ensino superior. O que a Inglaterra implantou, por correspondência,muitas décadas, atualmente,as grandes universidades do mundo (Harvard, Cambridge e MIT, entre outras) o fazem via digital. Nas últimas décadas, a demanda por oportunidades educacionais tem crescido exponencialmente, graças sobretudo ao uso das tecnologias digitais e das metodologias inovadoras associadas. Felizmente, o Brasil está ativo e acompanhando, com garantia de qualidade, esse movimento educacional.

 

A modalidade EAD no Brasil foi assegurada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação/LDB (Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996), que estabeleceu, no artigo nº 80, a possibilidade do seu uso orgânico em todos os níveis e modalidades de ensino. O Decreto nº 2.561, de 1998, que definiu parâmetros de políticas de garantia de qualidade na EAD, e o Decreto nº 5.622, de 2005, que regulamentou o artigo nº 80 da LDB, funcionaram como diretrizes para a publicação dos referenciais de qualidade em 2007.

 

Em 2017, a legislação sobre a EAD reorganizou a abertura de cursos, flexibilizou a oferta e possibilitou a ampliação do acesso. O Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017, e a Portaria MEC nº 11, de 20 junho do mesmo ano, deram nova dimensão à modalidade. A Portaria permitiu às instituições criarem cursos de EAD, de acordo com sua organização administrativa, conforme os resultados obtidos no Conceito Institucional.

 

A partir da definição e do cumprimento de cargas didáticas suficientes de interação, acompanhadas de abrangência e profundidade adequadas, estão dadas as bases de garantia de qualidade na modalidade. Particularmente, em cursos das áreas de saúde, engenharias e outros é previsto, e demanda ser cumprido, um conjunto de atividades “mão na massa”, integralizando cargas horárias presenciais bem definidas.

 

Quanto às inovações mais recentes, incluindo a autorização para o uso de até 40% em EAD da carga didática total na maioria dos cursos presenciais (Portaria MEC nº 1.428, de 29 de dezembro de 2018), visam avançar na consolidação de um modelo híbrido que integre as boas práticas do presencial com o virtual, estimulando novas práticas pedagógicas, calcadas na real possibilidade de uma educação personalizada de qualidade. Via trilhas educacionais customizadas, podemos possibilitar que todos aprendam, que todos aprendam o tempo todo, e que cada qual aprenda de maneira própria e única.

 

Estatísticas recentes sobre cursos de graduação mostram que a EAD, em termos de oferta de vagas, ultrapassou o número de oferta de vagas presenciais, o que é fruto do reconhecimento da modalidade, especialmente por parte daqueles que sofrem impedimentos de toda ordem e que encontram na EAD compatibilidade com seu estilo de vida, incluindo custos menores e flexibilidade de tempo e de espaço para estudar. De forma diferenciada, se comparada à educação presencial, EAD permite, via trilhas educacionais especialmente desenhadas, a inclusão de pessoas com necessidades especiais, moradores de regiões distantes ou cidadãos com complexas disponibilidades  de horário ou local.

 

Caminhamos em direção à formulação de uma educação flexível e híbrida que conjugará elementos das duas modalidades de ensino, presencial e a distância. Estamos aprendendo aatender, com qualidade e de forma personalizada, às múltiplas demandas que respeitem as particularidades e as peculiaridades de cada educando, em seu contexto educacional específico, estabelecendo máxima compatibilidade com um cenário de educação permanente ao longo de toda a vida.

 

(1) Presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância/ABED e professor emérito da Universidade de São Paulo/USP.

(2) Membro da Academia Brasileira de Educação, diretor científico da Digital Pages e ex-secretário de Educação a Distância do MEC.

—/—

Quadrinho ilustrativo de www.willtirando.com.br

 

 

 

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 23 de maio de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:17

Regulação Estatal, Autorregulação ou Corregulação do Ensino Superior?

Compartilhe: Twitter

 

A política regulatória estatal vigente no ensino superior brasileiro é fruto de décadas de experiências, tendo sido impregnada pelos acertos e equívocos de uma área reconhecidamente complexa e dinâmica. De forma simplificada, cabe ao  Conselho Nacional de Educação/CNE  o credenciamento e recredenciamento das instituições educacionais, o Ministério da Educação/MEC é responsável pelos processos de autorização e reconhecimento de cursos, enquanto o INEP realiza avaliações baseadas no Exame Nacional de Desempenho do Estudante/ENADE e em visitas in loco, por intermédio de comissões ad hoc. Além disso, cada instituição de educação superior conta com uma Comissão Própria de Avaliação/CPA, responsável pela autoavaliação interna.

 

O modelo em vigor tem sido criticado pela excessiva carga burocrática, por priorizar processos em detrimento de resultados objetivos e, especialmente, pelas dificuldades de mensurar, de forma adequada, aspectos essenciais da aprendizagem. Além disso, não é clara a compatibilidade e consonância do sistema regulatório com o Plano Nacional de Educação/PNE, cuja pretensiosa meta prevê elevar até 2024 a taxa de matrículas de estudantes no ensino superior com idade entre 18 e 24 anos de 18% para 33%.

 

Em uma sociedade ideal e imaginária, seria tentador pensar em um sistema que dispensasse por completo a regulação formal do Estado. Contaríamos somente com a autorregulação do setor, partindo da capacidade discricionária do cidadão consciente. Imaginamos aqui um consumidor maduro e preparado no que diz respeito aos produtos e serviços que possam ser de seu interesse.

 

Migrando do mundo abstrato e geral e aterrissando no solo real das peculiaridades e fragilidades de cada contexto, há duas relevantes variáveis que demandam ser analisadas conjuntamente. A primeira delas é a inegável vocação nacional pelo cartorialismo, onde um título educacional representa mais do que simplesmente um atestado de conhecimento adquirido. No caso, um diploma de nível superior habilita ao exercício profissional, a realização de concursos públicos e a candidatura a outras vagas de emprego, além de tratamentos especiais previstos em lei. Tudo isso independente da qualidade da formação adquirida anteriormente.

 

A segunda variável, quase que uma decorrência natural do fenômeno da valorização formal em detrimento do efetivo domínio de conteúdo, procedimentos e técnicas de cada profissão, teríamos opossível estímulo e atração de empreendimentos privados ancorados unicamente no lucro. Na ausência total do Estado e na carência de regras claras, corre-se o risco de juntarmos um consumidor imaturo, preocupado unicamente com o diploma, com o eventual desmedido apetite financeiro de empresas educacionais, especialmente aquelas que apostam em resultados lucrativos a curto prazo.

 

Na dicotomia entre uma regulação estatal e a autorregulação pura e simples, é possível uma tentativa híbrida de conjugar maior agilidade, flexibilidade e eficiência do processo regulatório. Um arranjo regulatório moderno seria ancorado numa maior responsabilização compartilhada, tanto do Estado como das instituições educacionais, via um processo baseado na corregulação, associada ao uso intensivo das tecnologias digitais.

 

Quanto à corregulação, uma sugestão seria estimularmos agências acreditadoras que colaborariam, especialmente, nos atos autorizativos, de reconhecimentos e renovações de reconhecimentos de cursos. Caberia ao MEC, orientado pelo INEP, via editais específicos, conceder autorizações, renováveis periodicamente, para que agências de avaliação, especificamente construídas com este propósito, em geral via consórcios de organizações da área educacional, cumpram este papel complementar. As agências que não corresponderem às expectativas de garantia de qualidade seriam desacreditadas pelo MEC, a qualquer momento, ou poderiam não ter suas renovações concedidas. As instituições educacionais, por sua vez, optariam, a seu critério, por uma entre as agências acreditadas, sendo que, quanto mais rigorosas estas forem, maior o crédito conferido à qualidade do ensino ministrado.  

 

No que diz respeito ao uso das possibilidades digitais, teríamos uma progressiva diminuição do custo burocrático, com ganho na publicização das informações acadêmicas e na precisão de informações, as quais balizariam os processos avaliativos, dentro do que está previsto no espírito do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior/SINAES. A avaliação in loco, realizada pelo INEP, é a versão analógica e custosa de uma possível solução digital, eficiente e contemporânea. Ao invés das milhares de visitas anuais para as mais de duas mil instituições educacionais, poderíamos explorar informações multimídia, instantâneas e fidedignas. Cada instituição, tornaria público seu Plano de Desenvolvimento Institucional, seus Projetos Pedagógicos de Cursos e demais documentos, incluindo infraestrutura geral e planos de carreira docente, que expressam a sua missão específica.

 

Da mesma forma, seriam associados aos seus cursos cadastrados os respectivos docentes, bem como seus dados completos, as disciplinas que estão sendo ministradas, nominando, em tempo real, os discentes registrados e as instalações disponíveis,tendo discriminados plenamente os seus usos previstos. Seriam espécies de “templates” padrão, preenchidos e atualizados permanentemente, com registros de alterações, facilmente computáveis e verificáveis, com correspondentes sanções a eventuais equívocos nas informações coletadas. Assim, as visitas do INEP, como nós as conhecemos hoje, seriam destinadas a situações específicas, em que a coleta dos dados e, especialmente, dos resultados de aprendizagem aferidos assim as justifiquem.

 

Um dos objetivos de um processo de corregulação bem-sucedido seria atuar firmemente inibindo que a obsessão pelo lucro possa trazer prejuízos à qualidade do ensino. Para tanto, faz-se necessário provar àqueles que fazem mal feito que é sim um bom negócio fazer bem feito. Nem mesmo que seja porque, educacionalmente, fazer bem feito pode ser, de fato, um bom negócio.

——

Imagem disponível em:

https://images.app.goo.gl/iAfjCy6U4zFgsVwW7

 

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 11 de março de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 16:27

Memória, esquecimento e inteligência

Compartilhe: Twitter

A070A091-B08B-47B6-9AB8-91EFD32020AAA

    É bastante comum associarmos inteligência a termos excelente memória. Ou seja, quanto mais detalhes soubermos e por mais tempo recordarmos de eventos passados, em geral, costumamos achar melhor. No entanto, avanços recentes da ciência nos obrigam a, no mínimo, repensar tais associações.

    Paul Frankland e Blake Richards, pesquisadores da Universidade de Toronto, destacam em um artigo recente na revista Neuron (vol. 94, 6, pag. 1071, 2017) a importância de saber esquecer, tão relevante, segundo eles, como lembrar. De fato, eles evidenciam que é a interação entre memória e esquecimento que propicia as adequadas condições para a tomada de decisões inteligentes.

    Estudos sobre a memória tendem a estar focados nos mecanismos celulares envolvidos na estocagem de informação, fenômeno conhecido como persistência. Há um outro processo, igualmente importante e distinto, responsável pela perda da memória, denominado transiência. Os trabalhos de Frankland e Richards mostram que a produção de novos neurônios na regiāo do cérebro conhecida como hipocampo está associada à promoção do esquecimento. Sendo esta produção mais ativa em crianças, talvez ajude a explicar por que adultos, em geral, têm dificuldades em lembrar de fatos ocorridos antes de terem, aproximadamente, quatro anos.

    Baseado nos princípios de aprendizagem de máquinas e de neurociência computacional, há um interessante paralelo entre os mecanismos neurobiológicos e computacionais. Memória permite a transmissão de informação ao longo do tempo. Esquecimento, por sua vez, aumenta a flexibilidade, à medida que reduz a influência de informações desatualizadas ou desnecessárias no processo de tomada de decisões ou de consolidação da aprendizagem. Saber esquecer evita superdimensionar eventos específicos no envio e na recepção de dados e assim conseguimos generalizar, entender contextos, realizar adaptações e desenvolver sínteses, a partir das experiências passadas.

    Há interessantes relatos de pacientes com surpreendentecapacidades de memorizar todos os detalhes e demonstrando, por outro lado, grandes dificuldades na vida real, tanto em tomar decisões, adaptar-se às novas situações ou mesmo de aprender. Desprovidos da  capacidade de esquecer, a realização de sínteses fica fragilizada e a compreensão dos contextos praticamente impedida pe!a profusão de detalhes não hierarquizadas em suas respectivas relevâncias.

    Educacionalmente, o desempenho na aprendizagem está associado à capacidade do educando em conjugar essas duas dinâmicas, memória e esquecimento, aprendendo ao mesmo tempo que libera espaços para aprender mais e melhor. Essa estratégia, combinando persistência/transiência, viabiliza aprender a aprender continuamente ao longo de toda a vida.

    No processo de ensino de conteúdos específicos, a aprendizagem demanda estar acompanhada da ampliação do nível de consciência do educando acerca de como ele aprende. Amplificar a percepção sobre o seu próprio processo de aprendizagem é a trilha educacional que permite a seleção adequada e consciente do que reter e do que dispensar.

    A partir de sínteses consecutivas das realidades vivenciadas ou dos conteúdos ensinados, desenvolve-se a capacidade de tomar decisões e de ter sucesso em missões e projetos. Neste sentido, educação, parafraseando Albert Einstein, é aquilo que permanece quando esquecemos o que nos foi ensinado.

 

—-

Figura do artigo citado no texto

Autor: Tags:

quinta-feira, 7 de março de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:00

NOVA MISSÃO E MESMAS METAS

Compartilhe: Twitter

4B59207E-2C10-4538-A667-A6B5BC882736

 

Em outubro de 2008, após quase cinco anos no Ministério da Educação/MEC, encerrei minhas atividades na Secretaria de Educação Superior/SESu. Convidado pelo então Ministro de Ciência e Tecnologia/MCT, Prof. Sérgio Rezende, assumi a Assessoria Especial do ministro e depois a Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico/SETEC. No MCT, permaneci até fevereiro de 2012, quando fui selecionado, como pesquisador visitante no “Institute of Education/University of London”, para ocupar a Cátedra Anísio Teixeira/Capes.

 

Mais de uma década depois, em outro contexto, repito trajetória similar, migrando da área específica de educação para o setor mais geral de tecnologia aplicada, inclusive em aprendizagem. Após quase cinco anos no setor privado do ensino superior, onde fui reitor da Universidade Estácio de Sá e diretor-executivo de educação a distância e chanceler do Grupo Estácio, assumo a Direção Científica da empresa de tecnologia Digital Pages.

 

A Digital Pages, há quase duas décadas, desenvolve soluções tecnológicas e presta serviços especializados para o desenvolvimento, gestão e distribuição de conteúdos digitais em múltiplas plataformas. Foi pioneira no mercado brasileiro e a Plataforma RDP (Rich Digital Pages) conta com uma base sólida de mais de 30 milhões de usuários, acumulados ao longo dos anos, com clientes como: Organizações Globo, Pearson, VEJA, Folha de São Paulo, Confederação Nacional da Indústria/CNI, Raízen, PWC, Avon, Latam e instituições educacionais como Senac, Ser Educacional, Positivo, Estácio, Ânima, Laureate e Colégio Bandeirantes.

 

A similaridade dos dois contextos, o ano de 2008 e atualmente, é a migração de atividades centradas no ensino em direção a uma nova ênfase em inovação e empreeendedorismo, tendo a educação como elemento comum em ambas os rumos. 

 

No processo de gestão da informação ou no acesso ao conhecimento por parte de profissionais ou instituições podemos colaborar de múltiplas maneiras. Tanto a partir de um espaço estritamente educacional como, alternativamente, via o suporte a empresas, por meio da ênfase em estratégias de aquisição e gestão de conhecimento ou em processos de aprendizagem mediados por tecnologias digitais. 

 

O caminho para o desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável de uma nação passa, necessariamente, pela formação de cidadãos mais conscientes e produtivos e empresas e instituições mais eficientes e competitivas. Assim, desenvolver soluções tecnológicas, disponibilizando conteúdos digitais em múltiplas plataformas, permite prover ferramentas robustas e flexíveis para a criação e o enriquecimento de conteúdos digitais, atendendo os segmentos educacionais e empresariais. 

 

Trata-se de um novo rumo, mas permanecem as mesmas metas associadas a conjugar qualidade com a escala compatível com o tamanho dos nossas necessidades e desafios.

 

Autor: Tags:

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 06:35

Voz, revolução em curso

Compartilhe: Twitter

48F438DA-62BB-42CD-95D1-E94791352115

Ronaldo Mota*

 

Em Londres, no mês passado, tive a oportunidade de jantar com o amigo Patrick Towell, um dos inovadores britânicos mais bem atualizados sobre tecnologias digitais. Perguntei de forma direta: “em poucas palavras, qual inovação impactará o mundo da educação no cenário próximo?”. Ele, imediatamente, respondeu com uma só palavra: “voz”. A curto prazo, todas as instituições educacionais competitivas terão adotado assistentes virtuais baseados em voz que se tornarão suas correspondentes marcas registradas. Serão também, segundo ele, suas principais interfaces de comunicação com os educandos e com o resto do mundo.

 

Assistente de voz é uma ferramenta digital que, fazendo uso de reconhecimento de comandos sonoros, desenvolve uma síntese de fala, via processamento de linguagem natural. Os incríveis avanços recentes de inteligência artificial têm propiciado assistentes de voz que mudarão nosso cotidiano com velocidade espantosa, incluindo os meios e métodos que adotamos para aprender, ensinar e se relacionar no mundo educacional.

 

“Siri” da Apple foi o primeiro assistente virtual incorporando voz, por ocasião do lançamento do iPhone 4s em outubro de 2011. Em seguida, floresceram outros dispositivos falantes, tais como os bem sucedidos “Alexa” da Amazon, o “Cortana” da Microsoft e o “Bixby” da Samsung. Todos eles fazendo uso de computação na nuvem e incorporando os demais avanços tecnológicos desta década.

 

Historicamente, muito se deve à revolucionária ferramenta “shoebox”, apresentada pela IBM na Feira Mundial de Seattle, em 1962. Do tamanho de uma caixa de sapato, ela era capaz de reconhecer 16 palavras faladas. Em 1970, a Universidade Carnegie Mellon/Pennsylvania apresentou ferramenta similar, o “Harpy”, capaz de reconhecer incríveis 1.011 palavras, o que corresponde, aproximadamente, ao vocabulário de uma criança de 3 anos de idade. Ao longo das décadas seguintes, muitas novidades surgiram, mas o advento dos celulares inteligentes e os avanços da internet abriram novos e, até então, inimagináveis horizontes.

 

Em 2018, nos Estados Unidos, em torno de 20% dos adultos fizeram uso dessa tecnologia em suas tarefas do dia a dia. Talvez seja, isoladamente, a inovação que mais avance em direção à universalização de seu uso doméstico nos próximos anos. As utilizações mais frequentes têm sido: responder dúvidas via procuradores, comandos de música e controle de outros aplicativos, previsão do tempo, agenda, incluindo alarme e calendário, notícias, jogos, trânsito, comunicação personalizada, compras etc.

 

Entre vários pioneiros no uso educacional de assistentes virtuais baseados em voz, destaco a “Georgia Tech”, sediada em Atlanta. “Jill Watson” é o primeiro professor assistente totalmente virtual , no caso baseado em inteligência artificial ancorado na plataforma “Watson” da IBM. Os números ainda são preliminares, mas, no ano passado, o índice de acerto da “Jill” nas questões associadas aos cursos ministrados aos alunos foi de 97%, percentual pouco provável ser atingido por correspondentes humanos. Além disso, trabalha-se arduamente nas respostas erradas em direção ao atingimento, improvável, de 100% de acerto, ao mesmo tempo que a “Jill” vai muito além de ser uma simples docente virtual. De fato, ela se transforma, gradativamente, em uma ilimitada e permanente “personal friend” de cada aluno da instituição.

 

Em suma, no mundo da aprendizagem baseada em tecnologias digitais, teremos novidades, oportunidades e, certamente, muitos riscos a enfrentarmos adiante. Mesmo para quem, justificadamente, desconfia desses avanços, é recomendável ficar atento e acompanhar sem preconceitos essas evoluções em curso. Mesmo porque, em geral, elas não costumam depender de nossa aprovação ou consentimento para serem adotadas pelos mais jovens e pelas crianças.

 

 

*Escritor/conferencista em “aprendizagem mediada por tecnologias” e professor titular de Física aposentado da Universidade Federal de Santa Maria

 

Figura disponível em: file:///storage/emulated/0/Download/tech%20(1).jpeg

Autor: Tags:

terça-feira, 29 de janeiro de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 13:28

Alunos são parceiros e não consumidores

Compartilhe: Twitter

alunosjan29

 

Entender os educandos como parceiros e cocriadores de um processo complexo, e não como clientes ou consumidores simples, vai muito além de uma questão comercial, ética ou moral. Trata-se, essencialmente, de uma questão educacional. A partir de como enxergamos nossos alunos, devemos estabelecer, em coerência com o mundo contemporâneo, as adequadas abordagens e metodologias.

 

Houve um período, no passado próximo, onde a escola poderia ser vista, resumidamente, como espaço de transferência de informação ou de conhecimento. Ao professor cabia a tarefa fundamental, ainda que não exclusiva, de repassar aos aprendizes um conjunto de conteúdos, alguns procedimentos padrão e certas técnicas bem definidas. Findas as tarefas, o estudante, caso provasse domínio adequado, estaria aprovado e a instituição educacional chancelava cada etapa do processo, via um diploma ou um certificado.

 

A grande novidade dos tempos atuais é que as tecnologias digitais invadiram, abruptamente, todos os setores da sociedade, inclusive o universo da educação.  A informação está totalmente acessível, disponibilizada de imediato e, basicamente, gratuita. Uma escola ou um docente que se limitarem, hoje em dia, à tarefa de simplesmente transferir informação correm o risco de se tornarem inócuos, estando sujeitos a desaparecerem, por ausência de propósito, muito rapidamente.

 

Profissionais oriundos do ensino tradicional, baseado em memória e no domínio simples de procedimentos e técnicas, são os alvos principais dos processos de automação e de máquinas que aprendem. Automação, no caso, refere-se à substituição do trabalho humano por robôs que atendem a algoritmos. O aprendizado de máquina, por sua vez, potencializa ainda mais a automação, permitindo ir além de tarefas repetitivas e mecânicas. Assim, as máquinas podem contemplar missões cada vez mais complexas, alicerçadas em aprendizagem por análises de erros. Ou seja, a partir da disponibilidade e do tratamento de dados abundantes, inteligência artificial propicia criar novos algoritmos que evoluem e que são aprimorados continuamente.

 

A título de evidenciar a gravidade do contexto presente, em trabalho recente do “Laboratório de Aprendizado de Máquina em Finanças e Organizações” da Universidade de Brasília, as 2.602 ocupações formais no Brasil foram, à luz dos riscos da decorrentes da automação, analisadas.  Entre os trabalhadores atualmente com carteiras assinadas, mais de metade deles, algo da ordem de 25 milhões, ocupam vagas com alta probabilidade de serem negativamente afetadas nos próximos anos.

 

Educacionalmente, a única forma de enfrentar esses desafios é promovendo uma aprendizagem que viabilize que aqueles que estão chegando ao mercado possam ir além dos trabalhos mais rasos, evitando ao máximo suas substituições por robôs. A abordagem pedagógica apropriada para preparar um profissional ou cidadão para tarefas mais complexas é aquela que transcenda os processos simples de memorização, indo muito além da absorção aligeirada de procedimentos e técnicas. É fundamental que o aluno, ao longo da aprendizagem, reflita, entenda e aprofunde sobre como ele aprende. Sendo ator consciente de seu próprio processo educacional, o educando amplia continuamente sua capacidade de aprendizagem ao longo da vida. Acrescente-se o indispensável estímulo aos processos colaborativos entre colegas, presenciais ou virtuais, na consecução, em equipe, de missões e projetos.

 

Dentro dessa perspectiva, o educando é, mais do que nunca, um cocriador e um parceiro da dinâmica educacional envolvida. Portanto, o aluno está bastante distante da figura passiva de um consumidor que adquire isolada e individualmente um produto ou um serviço. Construir essas novas metodologias e conjugá-las às tecnologias existentes, bem como às múltiplas possibilidades que ainda estão sendo criadas, é o maior desafio educacional contemporâneo.

 

——

 

 

 

 

 

 

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 08:53

Qualidade em Educação a Distância

Compartilhe: Twitter

473673DA-0496-480C-A67C-FA7542621110

No ano passado, fui designado pelo Ministério da Educação (MEC), via a Secretaria de Educação Superior (SESu), para um Grupo de Trabalho (GT) cuja responsabilidade era atualizar os Referenciais de Qualidade para a Educação Superior a Distância (Portaria SESu Nº 78, de 19/09/2018). Ao final de 120 dias, o GT apresentou seus resultados, os quais foram, neste ano de 2019, entregues aos novos gestores do MEC.

A Educação a Distância (EaD) é, usualmente, caracterizada como sendo a modalidade na qual os procedimentos educacionais são mediados por tecnologias, em contextos nos quais os educandos e os educadores estão separados, espacial ou temporalmente. Caminhamos em direção a uma sociedade em que a informação estará totalmente acessível, de forma instantânea e basicamente gratuita; portanto, qualquer definição,rapidamente, fica desatualizada ou, no mínimo, incompleta, demandando permanentes revisões e atualizações.

No documento final do GT, o destaque é para a enorme potencialidade da modalidade EaD, sendo considerada ferramenta estratégica naampliação do acesso e da permanência, em especial no ensino superior. Nas últimas décadas, a demanda por oportunidades educacionais nesse nível tem crescido exponencialmente, sendo boa parte desse crescimento viabilizado graças ao uso das tecnologias digitais e das metodologias inovadoras associadas.

A modalidade EaD no Brasil foi assegurada na Lei de Diretrizes e Bases da Educação/LDB(Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996), que estabeleceu no, artigo 80, a possibilidade do seu uso orgânico em todos os níveis e modalidades de ensino. O Decreto 2.561, de 1998, que estabeleceu parâmetros de políticas de garantia de qualidade na EaD, e o Decreto 5.622, de 2005, que regulamentou o artigo 80 da LDB, funcionaram como diretrizes para a publicação dos referenciais de qualidade em 2007.

Em 2017, a legislação sobre a EaD reorganizou a abertura de cursos, flexibilizou a oferta e possibilitou a ampliação do acesso. O Decreto Nº 9.057, de 25 de maio de 2017, e a Portaria MEC 11, de 20 junho do mesmo ano, deram nova dimensão à modalidade. Essa Portaria permitiu às instituições criarem cursos de EaD, de acordo com sua organização administrativa, conforme os resultados obtidos no Conceito Institucional.

Quanto às inovações mais recentes, incluindo a autorização para o uso de até 40% em EaD da carga didática total na maioria dos cursospresenciais (Portaria MEC No 1.428, de 29 de dezembro de 2018), visam a avançar na consolidação de um modelo híbrido que integre as boas práticas do presencial com o virtual, estimulando novas práticas pedagógicas, calcadas na real possibilidade de uma educação personalizada de qualidade. Via trilhas educacionais customizadas, podemos possibilitar que todos aprendam, que todos aprendam o tempo todo, eque cada qual aprenda de maneira própria e única.

Uma dessas inovações, de natureza estritamente pedagógica, é a adoção de estratégias educacionais nas quais a ênfase está em priorizar o aprender a aprender, via abordagens que estimulam a emancipação do educando e a aprendizagem independente. Um dos aspectos centrais desta abordagem implica em privilegiar as características metacognitivas, transcendendo a cognição simples, contemplando sobremaneira o aumento do nível de consciência do educando acerca de como e em que condições ele aprende.  As habilidades metacognitivas implicam naautorreflexão do educando e na exigência de aprender a trabalhar em equipe, incluindo a prática de entender o outro, promovendo a aprendizagem colaborativa e independente. 

Caminhamos em direção à formulação de uma educação flexível e híbrida que conjugará elementos das duas modalidades de ensino, presencial e a distância. O produto final serácapaz de atender, de forma personalizada, às múltiplas demandas que respeitem as particularidades e as peculiaridades de cada educando, em seu contexto educacional específico, estabelecendo máxima compatibilidade com um cenário de educação permanente ao longo de toda a vida.

 

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 6 de agosto de 2018 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 14:07

Concluintes do Ensino Médio: diminuição ou novos caminhos?

Compartilhe: Twitter

ensinomedio

 

 

O número de concluintes do Ensino Médio Regular em 2017, algo em torno de 1 milhão e 780 mil, é 2,6% menor do que o de 2016, 1 milhão e 830 mil, aproximadamente. De fato, são números assustadores em si, porém, não é tão simples indicar que eles, isoladamente, impliquem em retração inevitável de interessados em Educação Superior nos próximos anos. Claro que o desejável seria termos um crescimento contínuo e substantivo de jovens se formando naquele nível, no entanto, há outros fenômenos ocorrendo simultaneamente e que devem ser levados em conta.

 

No último domingo (05 de agosto), foi aplicado o Exame Nacional para a Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA), quando 1 milhão e 340 mil inscritos, número 7,6% maior do que no ano anterior, visam a obtenção do diploma de Ensino Médio. Parte significa deles declara a expectativa de, posteriormente, pleitear vagas no Ensino Superior. Assim, é possível observar que a diminuição de formandos no Ensino Médio Regular é compensada pelo incremento, mais do que o dobro de um ano para outro, de potenciais postulantes vindos por um outro caminho.

 

Duas observações preliminares sobre o ENCCEJA. Primeira, o exame é constituído basicamente de quatro partes: matemática; ciências da natureza suas tecnologias; linguagens e códigos; redação; e ciências humanas e suas tecnologias. Segunda, o Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM) até 2016 possibilitava o recebimento de diploma do Ensino Médio, sendo que mais de 1 milhão de postulantes ao ENEM atestavam ter tal objetivo como requisito essencial para o ingresso no nível superior.

 

Assim, parte da dinâmica de interesses e opções acima parece estar associada ao relativo e crescente desinteresse dos jovens pelo Ensino Médio Regular na forma que ele é hoje. No passado, os postulantes do ENCCEJA e de seus exames predecessores eram basicamente pessoas maduras que haviam perdido a oportunidade de estudar quando na idade apropriada. Contemporaneamente, é crescente a quantidade de jovens que preferem aguardar completar 18 anos para, via caminhos alternativos, testar seus conhecimentos e, se aprovados, obter seus certificados.

 

Interessante observar que, pela primeira vez, é significativo e crescente o percentual de candidatos ao diploma de Ensino Médio que consegue acesso ao conteúdo do exame via outras formas, que não a escola tradicional. Atualmente, há várias iniciativas inéditas e estão disponíveis um conjunto de atraentes portais educativos de qualidade, parte deles gratuitos e os demais acessíveis a baixos custos. Tais caminhos se mostram cada vez mais interessantes àqueles que expressam compatibilidade com metodologias e tecnologias que permitem ao educando aprender o tempo todo e em qualquer lugar.

 

Não deve surpreender a ninguém que acompanha os processos educacionais no Brasil o fato de que, em poucos anos, o número de matrículas do Ensino Superior na modalidade a distância superará o correspondente no presencial. Da mesma forma e mais enfaticamente ainda, quanto às crianças e os mais jovens, sempre que eles tiverem a opção de explorar novas abordagens educacionais, desde que demonstrem mais compatibilidade com as formas segundo as quais eles vivem, trabalham e se relacionam com amigos e família, parte deles assim procederá.

 

São fenômenos complexos e com variáveis múltiplas. Portanto, na tentativa de simplificá-los, corremos o risco de gerar interpretações equivocadas ou demasiadamente parciais. Porém, parece inequívoco que, em geral, a tendência aponta para um sucesso educacional relativamente maior via a adoção progressiva de metodologias híbridas e flexíveis. Ou seja, a partir da incorporação apropriada de tecnologias digitais, é possível propiciar um ensino personalizado, mais atraente e eficiente. Desta forma, temos a oportunidade de cumprir com os objetivos de uma educação de qualidade para muitos, propiciando que todos estudem, desde que atendendo à indispensável customização que leva em conta o fato de que cada educando aprende de maneira pessoal e única.

 

 

—–

Imagem em Domínio Público: https://pixabay.com/pt/on-line-educa%C3%A7%C3%A3o-tutorial-3412473/

 

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 1 de abril de 2018 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:47

O mundo é FÍGITAL

Compartilhe: Twitter

IMG_0013

 

O termo Fígital, junção das palavras físico com digital (em inglês, “Phygital”), foi originalmente utilizado em marketing para descrever as experiências dos usuários em ambientes de vendas híbridos, simultaneamente físicos e digitais.  Hoje, o uso do termo transcende o significado inicial e pode ser aplicado ao conjunto de oportunidades vivenciadas nas quais não são claros os limites e as distinções entre aquilo que chamamos classicamente de real ou físico e aquilo que associamos ao virtual ou digital.

 

A título de ilustração, Realidade Mista é um exemplo mais recente desse tipo de percepção fígital, combinando experiências virtuais e aumentadas. Realidade Virtual, também conhecida como híbrida ou hiper-realidade, complementa o mundo físico do usuário com um mundo virtual, produzido digitalmente. Neste caso, é exigido que algum dispositivo seja utilizado pelo usuário, gerando um ambiente novo, tridimensional e interativo. Por sua vez, Realidade Aumentada sobrepõe o mundo físico com elementos digitais adicionais, ainda que sem a possibilidade de interação direta com eles. Ela atua como uma ponte entre os mundos físicos e digitais, inserindo elementos (informações ou objetos) virtuais à realidade física, ou seja, ao mundo original do usuário. Finalmente, a Realidade Mista combina os aspectos da Realidade Aumentada com a Realidade Virtual, sendo uma junção das duas e permitindo ancorar objetos virtuais em pontos do espaço real, tornando possível manipulá-los.

 

Tais novas realidades, especialmente a Realidade Mista, apresentam aplicações e possibilidades ilimitadas. São experiências visuais e sensoriais imersivas que permitem tanto aproximar o público comprador para testar, com níveis de detalhamentos sem precedentes, produtos do varejo, do setor imobiliário ou de entretenimento, bem como podem ser extremamente úteis em delicadas cirurgias ou outros procedimentos médicos.

 

Outro exemplo interessante de Fígital ocorre no filme Star Wars, no episódio “Rogue One”, produzido em 2016. Um dos atores do filme, Peter Cushing, falecido 22 anos antes, participa sem que os espectadores sejam informados ou percebam. Se é possível que um dos atores não esteja mais vivo, é igualmente razoável termos uma película onde todos os atores e atrizes sejam já falecidos. No limite, via plataformas digitais inteligentes, associadas ao uso de dados em grande escala disponíveis de pessoas já falecidas, é possível, em tese, viabilizar experiências inimagináveis entre vivos e mortos, integrando interativamente o físico e o virtual.  Adentramos o mundo fígital, onde as barreiras entre os espaços analógicos/presenciais e digitais/virtuais são rompidas. Um universo de novas aplicações se torna evidentes e promissor.

 

Em particular, na área da educação, as separações vigentes entre modalidades e aulas presenciais ou a distância desparecem quase por completo. As aulas podem ser holograficamente simuladas, permitindo todas as formas de interação e socialização entre os atores envolvidos no processo educacional. Onde o docente se encontra fisicamente fará menos diferença para efeito da experiência de aprendizagem vivenciada pelos seus educandos e a aprendizagem pode ser altamente favorecida. Mesmo assim, não há, e nem precisa ter, a pretensão de substituir por completo as interações humanas desprovidas de dispositivos.

 

Qualquer que seja o contexto que se avizinha, os desafios, os espantos e as oportunidades estarão presentes. A opção de desprezar ou minimizar a relevância dessas novas possibilidades representa, especialmente aos mais jovens, um risco enorme de exclusão pessoal e profissional sem precedentes. A melhor forma de naturalizarmos ao máximo essas novas tecnologias é criando mecanismos que permitam que todos, sem exceção, delas se apropriem de forma crítica e ética, ao mesmo tempo que, por causa delas, permaneçam ativos, produtivos e criativos.

———-

Imagem gentilmente cedida pelo colega Prof. Maurício Garcia.

 

 

Autor: Tags: , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Última