Publicidade

Arquivo da Categoria aprendizagem

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 18:15

Educação Híbrida e o Preceptor

Compartilhe: Twitter

Há um relativo consenso ente os educadores de que o ensino híbrido e flexível representa a metodologia com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Desta forma, torna-se possível desenvolver metodologias inovadoras que incorporam adequadamente tecnologias digitais ao currículo escolar e às atividades desenvolvidas nas salas de aula, sejam elas físicas ou virtuais.

Na educação flexível, via o uso de plataformas e pedagogias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.

A educação híbrida significa, em contraposição ao ensino tradicional, uma real possibilidade de enfrentar os desafios contemporâneos. Ensinar, enquanto conceito geral, esteve por muito tempo associado a basicamente transferir conhecimentos, principalmente via aulas expositivas centradas no professor e assentado nas configurações clássicas das escolas tradicionais. O século passado parece ter sido o apogeu, em termos de sucesso, consolidando esta abordagem. Ou seja, as metodologias de ensino associadas estabeleceram com os modelos de desenvolvimento econômicos e sociais dominantes grande sintonia, gerando, no passado próximo, resultados considerados convincentes e satisfatórios.

Os tempos atuais são bem mais complexos, onde os modelos tradicionais evidenciam fragilidades, demandando visões contemporâneas sobre educar, as quais remetem a, principalmente, criar as condições e possibilidades de construção de processos de  aprendizagem  centrados nos educandos, baseados na farta e inédita interatividade viabilizada pelas tecnologias digitais, no imprescindível estímulo individual ao aprender a aprender e, especialmente, na preparação desses educandos para resolver problemas.

Nesta abordagem baseada no estímulo ao aprender a aprender e na solução de problemas, como procedimento padrão, os educadores expõem casos e os educandos, tanto individualmente como especialmente em equipes, identificam e aprofundam os temas, investigam, discutem, interpretam, predizem e constroem possíveis soluções. Este processo se desenvolve via um ensino integrado e integrador, tanto de conteúdos como das distintas áreas de conhecimento envolvidas.

Neste novo contexto, surgem e ressurgem figuras educacionais que visem a propiciar maior eficiência e eficácia às metodologias associadas, bem como às tecnologias inovadoras incorporadas. A mais interessante delas é a possibilidade de uma releitura indispensável do papel inovador do tradicional professor preceptor, lembrando que um conceito não tem necessariamente um único significado definitivo e permanente, mas sim ele é construído por suas relações com os fatos, continuamente ao longo dos tempos.

Classicamente, o preceptor é aquele dá preceitos ou instruções, genericamente confundido com o educador, o mentor ou o instrutor. Especificamente, onde esta figura mais se consolidou até aqui foi na área da saúde, como o responsável por conduzir e supervisionar, por meio de orientação e acompanhamento, o desenvolvimento de médicos residentes e demais profissionais nas especialidades de um hospital. Anteriormente, nos internatos ou mesmo em ambientes domésticos, cabia à figura de um preceptor acompanhar genericamente a educação de uma criança ou de um jovem, preparando para a inserção e socialização desses educandos na vida adulta. Tanto em uma situação como na outra, o preceptor é, essencialmente, um profissional experiente apto a auxiliar na formação integral de seus aprendizes, preparando-os para os desafios do futuro.

Na sociedade contemporânea, onde a informação está totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda vida. Principalmente, fica evidente que cada um aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com especificidade. Ou seja, é factível, mesmo em atendimentos de grande massa, propiciar percursos acadêmicos totalmente personalizados, ajustáveis e adaptados a cada educando.

Neste contexto, ressurge o profissional professor preceptor, numa combinação muito interessante dos dois papéis anteriores, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro profissional, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam.

A construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, demanda a participação estratégica do professor preceptor, contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo, visando a preparação do futuro profissional e cidadão. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas que pretendam ter plena correspondência com as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia | 15:37

Aprender a aprender é mais do que aprender

Compartilhe: Twitter

O ensino tradicional tem como foco central ensinar conteúdos, técnicas e procedimentos. O fruto direto do processo, ou seja, o que se aprendeu é, em geral, considerado mais importante do que o processo em si.

Tal modelo funcionou porque era harmônico com o mundo do trabalho correspondente no qual foi aplicado – ambientes baseados nos modelos de produção fordistas e tayloristas – e coerente com as correspondentes demandas por especialistas com memória apurada aplicada em atividades bem configuradas. Tudo isso em pleno acordo com o contexto geral dos últimos séculos, em especial com o século XX.

Esta solução educacional funcionou tão bem e por tanto tempo que aquilo que era uma metodologia entre várias quase virou sinônimo de método educacional, como se fora único e indiscutível. Desta forma, persistindo como dominante no cenário do processo de aprendizagem até hoje e, quando muito, permitindo variações sobre o mesmo tema, sem alterar sua essência.

Ao privilegiar o conteúdo aprendido sobre a consciência e o amadurecimento do hábito de aprender, predominou a ênfase na cognição, a qual está associada ao ato de conhecer, incluindo os estados mentais associados e os processos do pensamento relacionados à aquisição de conhecimentos. A cognição, com ênfase no saber algo, envolve múltiplos fatores como linguagem, percepção, memória, lógica, raciocínio e outros elementos importantes do desenvolvimento intelectual.

As tecnologias inovadoras, especialmente as tecnologias digitais, fizeram brotar uma sociedade contemporânea bastante distinta daquelas que vivenciamos antes. Pela primeira vez exploramos a oportunidade de termos informação plena e total, instantaneamente e gratuitamente acessível. Um dos reflexos decorrentes desta revolução diz respeito ao fato de que cognição perde sua centralidade, abrindo espaço, em termos de relevância, para um conceito mais amplo, a metacognição.

Metacognição, etimologicamente, significa “para além da cognição”, ou seja, a faculdade de conhecer o próprio ato de conhecer, associado à consciência dos atores envolvidos no processo de aprendizagem acerca de como se aprende ou como se ensina. O conceito de metacognição está relacionado ao ato de pensar sobre o próprio pensamento, onde a reflexão e a autoconsciência sobre a maneira como se aprende tornam-se, progressivamente, mais importantes do que o próprio ato de aprender em si.

Assim, mais importante do que aquilo que se aprendeu é se, ao longo do processo de aprendizagem, ao educando foi possível adquirir mais clareza acerca de como ele aprende, aumentando o seu nível de consciência sobre os mecanismos segundo os quais o processo pessoal ou coletivo de aprendizagem se desenvolve.

Neste novo contexto, o complexo aprender a aprender passa a ser mais relevante do que o simples aprender. O simples aprender tem tudo a ver com um mundo em que o período escolar estava circunscrito a um período limitado da vida. Em tempos passados, os profissionais, uma vez graduados, estavam prontos para suas missões e demandas futuras e, via de regra, sobreviviam de forma satisfatória no mundo do trabalho. O sofisticado aprender a aprender estabelece compatibilidade com educação ao longo da vida, com o conceito de  educação contínua e permanente.

Em suma, a cognição se preocupa quase que exclusivamente com constatar se o aluno aprendeu ou não (sabe ou não sabe); a metacognição inclui, com igual peso, o quanto o educando e o educador percebem a forma e os mecanismos com que eles próprios aprendem e ensinam (preparação ao saber resolver, portanto). Neste sentido, a cognição, associada ao aprender, atende ao passado e a metacognição, associada ao aprender a aprender, contempla o futuro.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 9
  3. 10
  4. 11
  5. 12
  6. 13
  7. Última