Publicidade

Arquivo da Categoria Inovação e Educação

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 18:15

Educação Híbrida e o Preceptor

Compartilhe: Twitter

Há um relativo consenso ente os educadores de que o ensino híbrido e flexível representa a metodologia com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Desta forma, torna-se possível desenvolver metodologias inovadoras que incorporam adequadamente tecnologias digitais ao currículo escolar e às atividades desenvolvidas nas salas de aula, sejam elas físicas ou virtuais.

Na educação flexível, via o uso de plataformas e pedagogias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.

A educação híbrida significa, em contraposição ao ensino tradicional, uma real possibilidade de enfrentar os desafios contemporâneos. Ensinar, enquanto conceito geral, esteve por muito tempo associado a basicamente transferir conhecimentos, principalmente via aulas expositivas centradas no professor e assentado nas configurações clássicas das escolas tradicionais. O século passado parece ter sido o apogeu, em termos de sucesso, consolidando esta abordagem. Ou seja, as metodologias de ensino associadas estabeleceram com os modelos de desenvolvimento econômicos e sociais dominantes grande sintonia, gerando, no passado próximo, resultados considerados convincentes e satisfatórios.

Os tempos atuais são bem mais complexos, onde os modelos tradicionais evidenciam fragilidades, demandando visões contemporâneas sobre educar, as quais remetem a, principalmente, criar as condições e possibilidades de construção de processos de  aprendizagem  centrados nos educandos, baseados na farta e inédita interatividade viabilizada pelas tecnologias digitais, no imprescindível estímulo individual ao aprender a aprender e, especialmente, na preparação desses educandos para resolver problemas.

Nesta abordagem baseada no estímulo ao aprender a aprender e na solução de problemas, como procedimento padrão, os educadores expõem casos e os educandos, tanto individualmente como especialmente em equipes, identificam e aprofundam os temas, investigam, discutem, interpretam, predizem e constroem possíveis soluções. Este processo se desenvolve via um ensino integrado e integrador, tanto de conteúdos como das distintas áreas de conhecimento envolvidas.

Neste novo contexto, surgem e ressurgem figuras educacionais que visem a propiciar maior eficiência e eficácia às metodologias associadas, bem como às tecnologias inovadoras incorporadas. A mais interessante delas é a possibilidade de uma releitura indispensável do papel inovador do tradicional professor preceptor, lembrando que um conceito não tem necessariamente um único significado definitivo e permanente, mas sim ele é construído por suas relações com os fatos, continuamente ao longo dos tempos.

Classicamente, o preceptor é aquele dá preceitos ou instruções, genericamente confundido com o educador, o mentor ou o instrutor. Especificamente, onde esta figura mais se consolidou até aqui foi na área da saúde, como o responsável por conduzir e supervisionar, por meio de orientação e acompanhamento, o desenvolvimento de médicos residentes e demais profissionais nas especialidades de um hospital. Anteriormente, nos internatos ou mesmo em ambientes domésticos, cabia à figura de um preceptor acompanhar genericamente a educação de uma criança ou de um jovem, preparando para a inserção e socialização desses educandos na vida adulta. Tanto em uma situação como na outra, o preceptor é, essencialmente, um profissional experiente apto a auxiliar na formação integral de seus aprendizes, preparando-os para os desafios do futuro.

Na sociedade contemporânea, onde a informação está totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda vida. Principalmente, fica evidente que cada um aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com especificidade. Ou seja, é factível, mesmo em atendimentos de grande massa, propiciar percursos acadêmicos totalmente personalizados, ajustáveis e adaptados a cada educando.

Neste contexto, ressurge o profissional professor preceptor, numa combinação muito interessante dos dois papéis anteriores, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro profissional, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam.

A construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, demanda a participação estratégica do professor preceptor, contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo, visando a preparação do futuro profissional e cidadão. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas que pretendam ter plena correspondência com as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

quinta-feira, 10 de setembro de 2015 Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 23:41

Estácio de Sá e histórias de pioneirismos

Compartilhe: Twitter

Este ano a cidade do Rio de Janeiro comemora 450 anos de sua fundação. Quem reclama, com razão, da sensação do convívio com a violência hoje em dia, talvez não consiga imaginar o nível das lutas que marcaram os períodos próximos ao ano de 1565, ano de fundação da cidade, envolvendo portugueses, índios e franceses.
Nossa história começa quando Estácio de Sá, sobrinho de Mem de Sá, terceiro governador-geral do Brasil, foi nomeado por Dona Catarina, rainha de Portugal, capitão de armada com a missão específica de expulsar os franceses da costa brasileira.
Estácio aporta na Bahia ao final de 1563 e depois, passando pelo Espírito Santo, chega ao litoral do Rio de Janeiro. Frente aos conflitos intensos com os índios, Estácio desloca-se inicialmente para São Vicente, onde fica em torno de nove meses, à espera de reforços vindos dos padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta.
Em 01 de março de 1565, Estácio de Sá e sua frota desembarcam em definitivo entre os morros Cara de Cão e Pão de Açúcar, onde fundam a cidade do Rio de Janeiro, dispostos a acabar com o domínio de mais de uma década dos franceses na região.
Os índios tamoios, aliados dos franceses, imediatamente atacam os portugueses recém-chegados. Somente dois anos depois, com reforços enviados por Mem de Sá, os portugueses consolidam seus domínios, contando com o apoio dos índios termiminós, inimigos dos tamoios. Porém, ao longo deste processo de conquista, o pioneiro Estácio de Sá é ferido mortalmente por uma flecha que lhe vazou um olho na Batalha de Uruçu-mirim, vindo a falecer um mês depois do incidente, provavelmente por septicemia decorrente do ferimento.
O nome Estácio de Sá estaria a partir daí marcado para sempre na história, eternizado como fundador daquela que viria a ser conhecida mundialmente como Cidade Maravilhosa. Cidade esta que seria depois capital do país e também estendendo sua denominação ao estado que até hoje a abriga.
Mas não foi somente aí que o nome Estácio e marcas de pioneirismo estiveram associados. Entre tantas organizações que depois fizeram jus a esta bela história e ao uso da denominação, cabe destacar uma delas que neste mesmo ano de 2015 se orgulha de completar 45 anos. A hoje Universidade Estácio de Sá é uma das maiores e mais importantes do país, seja em número de alunos, em evidências de pioneirismo em sua área e, especialmente, em termos de efetivo potencial para cumprir sua maior missão educacional, ou seja, levar educação superior de qualidade para muitos.
A Estácio nasceu no bairro do Rio Comprido, em 1970, fundada por Dr. João Uchôa Cavalcanti Neto, incialmente como faculdade de Direito, transformada posteriormente em universidade em 1988. Atualmente, passados 45 anos, fruto do pioneirismo de seu fundador e dos esforços de todos aqueles que lhe sucederam, a Universidade Estácio de Sá é a matriz do Grupo Educacional Estácio, presente praticamente em todo o país, atingindo mais de meio milhão de matrículas, atendidos por quase dez mil qualificados docentes e cinco mil competentes gestores.
A Estácio atua em todas as áreas de graduação e pós-graduação, tanto na modalidade presencial como a distância, contando também com reconhecidos cursos de mestrado e doutorado, todos com avaliações positivas pelo MEC. Entre as principais missões da Estácio está romper a falsa dicotomia entre prestar atendimentos de qualidade e fazê-lo para muitos. Em geral, para infortúnio do país, quando oportunizamos acesso de qualidade o fazemos, como regra, para poucos e quando atendemos muitos, quase que inexoravelmente, incorporamos má qualidade. A Estácio nasceu, e assim permanece até os dias de hoje, com a tarefa de quebrar este paradigma, harmonizando e conjugando qualidade e quantidade.
Para a comunidade educacional Estácio, que pretende desta forma honrar o nome do fundador do Rio e de seu próprio fundador, a tarefa principal é fazer uso da criatividade e do espirito pioneiro que lhe marcam o nome para viabilizar um empreendedorismo inovador que garanta produtos e serviços que propicie qualidade para todos.

Autor: Tags:

segunda-feira, 17 de agosto de 2015 Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 15:31

Inovar é garantir qualidade para muitos

Compartilhe: Twitter

Inovar foi a grande marca do século XX. Ao longo da história, o significado de inovação nem sempre foi o mesmo. Certamente os tempos atuais e o contexto específico do Brasil demandam refinamentos e especificidades de seu significado.

No século passado, do conhecimento científico se fez a tecnologia, a qual chegou abundante ao mercado na forma de inovações. Estas, por sua vez, resolveram problemas e ganharam escalas compatíveis com um planeta cada vez mais globalizado. A mais comum e aceita definição clássica deste tipo de inovação foi cunhada por Joseph Schumpter como sendo qualquer novo produto ou processo, bem como uma nova funcionalidade de um produto já existente, que atendessem demandas.

Adotou-se também associar a capacidade de inovação como principal referência para estabelecer a competitividade entre os países, ao lado da qualidade da educação, taxa de poupança (se alta, baixa juros e barateia o crédito) e estabilidade macroeconômica. Especificamente sobre investimentos em pesquisa e desenvolvimento, matriz do processo de inovação, a título de exemplo, os Estados Unidos investem algo em torno de 2,7% do PIB, onde somente 0,7% vem diretamente do Governo e o restante do setor privado. O Brasil, além de investir menos, algo em torno de 1,2%, 0,7% vem do Governo. Ou seja, o setor privado nacional investe aproximadamente quatro vezes menos, em percentuais dos respectivos PIBs, do que aplicam as empresas americanas.

Novos tempos sugerem novas abordagens e a maior novidade contemporânea é a emergência de uma sociedade caracterizada pela inédita informação plenamente acessível, instantaneamente disponibilizada e progressivamente gratuita. Neste novo contexto, espaços de economias baseadas em compartilhamento passam a se apresentar como candidatas a se tornarem dominantes, em detrimento dos setores clássicos da economia. Mais do que possuir bens genéricos, comportamento típico do século passado, a população passa a almejar, prioritariamente, a garantia de acesso a serviços de qualidade.

Corremos o risco de permitir uma sociedade excludente sem precedentes, onde as diferenças entre os que têm total acesso, comparadas com os que nada têm, podem ser ampliadas ainda mais. Bem como temos a oportunidade de seu oposto, ou seja, fazer uso das tecnologias digitais  inovadoras e viabilizar comunidades mais inclusivas e sustentáveis, onde o acesso a produtos e serviços de qualidade é estendido a muitos.

O Brasil tem provado ser um país capaz de prestar atendimentos de qualidade, desde que para poucos, ou então para muitos, desde que sem garantias de qualidade. Não aprendemos, infelizmente, fazer as duas coisas, qualidade e quantidade, ao mesmo tempo.  Harmonizar bom nível e escala é a mais importante inovação que o país precisa. Em certo sentido, ainda somos arcaicos, avançamos pouco além do que há tempos atrás foi descrito por Gilberto Freyre em “Casa-Grande & Senzala”.

No campo da educação, bem como na saúde, houve avanços, mas eles seguiram a regra da não inovação. Universalizamos em grande escala com má qualidade, bem como registramos, como exceções,  localizados centros de excelências.

Propiciar qualidade para poucos ou então ofertar qualidade precária para muitos não é inovar, é repetir o passado sem graça. Inovar no Brasil de hoje é romper as barreiras que separam a Casa-Grande da Senzala, viabilizando qualidade para muitos.

Autor: Tags: ,

  1. Primeira
  2. 8
  3. 9
  4. 10
  5. 11
  6. 12
  7. Última