Publicidade

Arquivo da Categoria Educação e Tecnologia

terça-feira, 17 de novembro de 2015 Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 07:42

Diamante: transformando escassez em abundância

Compartilhe: Twitter

Na semana passada, a empresa “Diamond Foundry” anunciou ser capaz de crescer, de forma eficiente, diamantes reais e perfeitos (até nove quilates) em somente duas semanas de trabalho em laboratórios. Segundo Peter Diamandis, CEO da Singularity University, esta novidade pode ter forte impacto no futuro da disponibilização de avanços tecnológicos, cruzando, no caso de diamantes, a barreira da escassez em direção à abundância plena.
A credibilidade no anúncio acima depende do nível do ceticismo de cada um, mas, aos mais incrédulos, bom recuperarmos a lição do alumínio. Em certa ocasião, conta a história, um artesão teria procurado o imperador Tiberius, conhecido por ter sido durante seu reinado que Jesus foi crucificado na Palestina, para presenteá-lo com um prato feito de um material brilhante, duro e incrivelmente leve. O imperador ficou surpreso, admirado e também ciumento do poder do artesão. Prevaleceu o último sentimento e o artesão foi, por ordem de Tiberius, decapitado imediatamente. Consta que o surpreendente metal nada mais era do que o alumínio e, consequentemente, a decapitação atrasou o seu conhecimento por mil e oitocentos anos, dado que o alumínio somente reapareceu no começo do século XIX, quando se transformou rapidamente no mais valioso metal da época.
A escassez do alumínio vem do processo químico a ele associado. Curiosamente, depois do oxigênio e do silício, o alumínio é, de fato, um dos mais abundantes elementos na crosta terrestre. Mesmo assim, não podemos simplesmente “cavar” alumínio porque ele está fortemente misturado e ligado na forma de óxidos e silicatos, em um material argiloso marrom chamado bauxita. Historicamente, o alumínio puro era tão difícil separá-lo da bauxita que ele se tornou tão raro e valioso como o ouro e platina. Em 1886, com a descoberta da eletrólise, tudo muda e a eletricidade mostrou-se fundamental para “liberar” o alumínio da bauxita. Assim, de repente, após séculos de escassez, todos passaram a ter acesso ao metal leve, brilhante, prático e, especialmente, barato.
O diamante é uma das formas alotrópicas do elemento carbono, tal qual o grafite, o amorfo “papel carbono” ou os mais recentes buckyballs ou nanotubos. O diamante decorre da forma cristalina própria com estrutura cúbica estável em pressões acima de 60 kbar, seja por ação da natureza ou sintetizada industrialmente, onde cada átomo de carbono esta ligado a outros 4 átomos de carbono por meio de fortes ligações covalentes tipo sp3 em um arranjo tridimensional tetraédrico. O diamante é o mais duro material de ocorrência natural que se conhece, com uma dureza de 10 (valor máximo da escala de Mohs). Isto significa que não pode ser riscado por nenhum outro mineral ou substância, exceto o próprio diamante, funcionando como um importante e estratégico material abrasivo.
Da mesma forma que a eletrólise fez o alumínio migrar de raro para abundante, a Google propiciou o acesso à informação plena, instantânea e gratuita. Similarmente, os celulares fazem a comunicação ser abundante ou a energia solar um dia propiciará energia acessível e ilimitada. Em suma, de acordo com Peter Diamandis, tecnologia contemporânea é essencialmente um mecanismo liberador de recursos e, portanto, revolucionária e transformadora.
Diamantes respondem por um comércio mundial da ordem da 15 bilhões de dólares por ano, associado a um complexo sistema de mineração, às vezes, acompanhado de conflitos, violência e corrupção. O anúncio recente, baseado em novas tecnologias que reproduzem em laboratório as condições similares com que a natureza forma diamantes, deve representar uma ruptura fundamental neste processo de transformação de escassez em abundância.
A Estácio, empresa brasileira do campo educacional, está completando este ano 45 anos de existência e tem como símbolo adotado o diamante. Os anúncios recentes do mundo dos diamantes dão mais sentido ainda à missão específica da Estácio de transformar a escassez de educação de qualidade, ou seja, qualidade para poucos, em abundância, no caso, educação de qualidade para muitos.

Autor: Tags:

domingo, 8 de novembro de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:56

O ENEM e o mundo contemporâneo

Compartilhe: Twitter

O Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, que nasceu com a finalidade de medir a qualidade do ensino médio, a partir do final da década passada passou a ser quase que exclusivamente um teste nacional de admissão ao ensino superior. O exame hoje abrange anualmente um público de quase oito milhões de candidatos, com perspectivas concentradas no interesse nas quase 250 mil vagas das universidades públicas federais e de milhões de outras oportunidades de ingresso no ensino superior privado.
Ao longo deste processo de transformação de finalidades, progressivamente, houve uma consequente cobrança maior por demonstração de profundidade no domínio de matérias como matemática, física, química, biologia, língua estrangeira, história, geografia e redação. A questão é que profundidade passou a ser entendida como sendo basicamente, ainda que não exclusivamente, capacidade de memória, habilidade de responder questões no tempo previsto e atestado formal de domínio de itens supostos essenciais a ingressantes em cursos superiores.
Se o mundo contemporâneo apresenta novidades substantivas, entre elas estão as consequências resultantes do ingresso acelerado em uma sociedade onde a informação está, cada vez mais, total e instantaneamente acessível, bem como gratuitamente disponibilizada. Assim, pode ser que simplesmente separar os candidatos entre os que sabem e os que não sabem seja menos relevante do que, principalmente, selecionar e induzir talentos associados aos que sabem resolver. Claro que saber resolver tem a ver com saber, mas vai além, significando fazer uso das informações disponíveis para apresentar soluções a problemas que se caracterizam por serem mais complexos e menos associados a simplesmente saber em oposição simples a não saber.
Neste novo cenário, a capacidade de interpretar textos, fazendo uso de dados disponibilizados, o uso do raciocínio crítico e da lógica, e especialmente um conjunto de atributos metacognitivos, que vão além dos processos cognitivos mais simples, passam a desempenhar um papel cada vez mais relevante e tais elementos deveriam estar expressos, cada vez mais, nos testes.
Por exemplo, uma questão curta e objetiva, ainda que bem formulada, se sua solução depende principalmente de memória e do domínio de técnicas e procedimentos padrão ela é substancialmente diversa de uma questão onde a ênfase está em apresentar no seu enunciado boa parte dos dados que serão importantes para a solução do problema proposto. A segunda estratégia, diferentemente da primeira, mensura foco, interpretação adequada de texto, capacidade de raciocínio e de adoção estratégias metacognitivas. Ou seja, estaríamos medindo, ainda que indiretamente, o nível de amadurecimento da consciência adquirida pelo educando acerca dos mecanismos de aprendizagem que o habilita na sua capacidade de aprender a aprender continuamente em um contexto de educação permanente ao longo da vida.
Em outras palavras, o ENEM, como ele é hoje, visa, principalmente, a selecionar e distinguir entre os que sabem e os que não sabem. Porém, tem grandes dificuldades em aferir aqueles que sabem resolver, em especial resolver à luz das informações amplamente disponíveis que caracterizam a sociedade contemporânea.
A relevância maior deste fato é que, ao não percebermos claramente aqueles que a partir das informações disponibilizadas sabem resolver bem como deixar de induzir as escolas a adotarem procedimentos que resultem dessa percepção, deixamos de captar e estimular os verdadeiros talentos que podem ajudar a liderar a melhoria de nossa produtividade e, consequentemente, a conduzir um desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável.

Autor: Tags:

terça-feira, 27 de outubro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 15:51

Aprendizagem Baseada em Problemas no Ensino EaD de Engenharia

Compartilhe: Twitter

Altinho é uma prática desportiva e recreativa, bastante conhecida no Rio de Janeiro, fruto da adaptação dos fundamentos do futevôlei para a prática na forma de círculo. Os jogadores, mulheres e homens, passam a bola um para o outro sem deixar cair, usando somente um toque, mantendo-a sempre no alto. Não há, salvo engano, nenhuma correlação observada entre bons praticantes de altinho e profissionais do futebol, ainda que certamente controlar bem a bola seja indispensável na prática futebolística. Da mesma forma, o perfeito domínio da gramática não faz de imediato um bom escritor ou poeta, ainda que escrever corretamente seja necessário ao bom produtor de textos.
Grosso modo, a partir das ilustrações simplistas acima, poderíamos dizer que competências no ensino tradicional, em geral, estão associadas a saber algo em oposição ao não saber. A ênfase principal costumava ser o domínio de conteúdos, técnicas e procedimentos, na expectativa de que o somatório deles, por si só, completasse a formação desejada. De alguma forma, de fato, no cenário do século passado, dentro daquilo que se exigia, era sim possível, em tese, formar profissionais razoavelmente satisfatórios. Ou seja, em um passado recente, a partir de um conjunto delimitado e relativamente duradouro, era viável, em geral, formar profissionais aptos a enfrentarem os principais desafios de então, a maior parte deles bastante previsíveis.
Por sua vez, o mundo contemporâneo traz desafios muito mais complexos e difíceis de serem previstos, onde educar ficou muito mais difícil. Simbolicamente, é como se, em complemento àquele conjunto anterior de predicados, os quais continuam sendo necessários, uma série de novas exigências fosse acrescida. Entre elas, que não basta simplesmente saber, é preciso saber resolver e conviver. E é preciso uma metodologia que dê conta disso. Ou seja, a partir do que se sabe desenvolver a nova centralidade de encontrar soluções para complexos, muitas vezes inéditos, desafios. A partir do saber, saber resolver explorando de forma muito especial o trabalho em equipe.
Em particular no ensino de Engenharia, além da formação básica tradicional, passa a ganhar uma progressiva relevância, estimular, ao longo do percurso de formação, a ampliação da capacidade de análise e solução de problemas, por meio de projetos desenvolvidos em equipe. Na busca das soluções, aos estudantes, individualmente e preferencialmente em grupos, são evidenciados os naturais avanços e retrocessos do processo de solução, bem como a necessidade permanente de detalhamentos e revisões. Este rico processo envolve, além do professor orientador e dos alunos, os professores das disciplinas correlatas, a coordenação do curso, devendo estar inserido no Projeto Pedagógico do Curso, de forma a criar condições para o seu pleno desenvolvimento.
A aprendizagem baseada em problemas (por meio de projetos) é a denominação genérica que se dá a um conjunto de estratégias que remontam sua proposição ao começo do século passado, conhecida pela sua versão em inglês PBL (“Problem Based Learning”). Ao longo do século passado a adoção e o sucesso desta metodologia foram relativamente modestos.
No entanto a partir do século XXI, as tecnologias digitais avançadas têm permitido um reexame desta proposta do ponto de vista de novas possibilidades e funcionalidades. As transformações do mundo do trabalho, seja na forma de empregos ou oportunidades de negócios, igualmente, passaram a enfatizar muito mais a capacidade de resolver problemas e de convivência, em detrimento de características clássicas de memória acumulada e do domínio de técnicas e procedimentos específicos. Memória gradativamente perde centralidade porque reexaminada à luz das informações plenamente disponibilizadas do mundo digital e os outros predicados clássicos porque sujeitos a uma dinâmica de mudanças e prazos curtos de validade sem precedentes.
Portanto, o ensino de Engenharia, em especial de Engenharia de Produção, onde as características acima descritas são ainda mais evidentes, demanda ser repensada à luz de novidades como as plataformas educacionais inovadoras, que são interfaces de aprendizagem inteligentes, e as novas abordagens metodológicas, particularmente a proposta PBL. Em conjunto, elas permitem explorar o aparente contraditório entre ensino de massas e qualidade, ou seja, é tornado possível estabelecer para cada estudante um tratamento individual e personalizado. Esta abordagem, se bem desenhada, viabiliza, de forma pioneira, estabelecer a real possibilidade de conjugar escala, qualidade e contemporaneidade, via atendimento de massa e personalização. Em outras palavras, prover educação personalizada de qualidade para muitos.
O Engenheiro de Produção, entre outras funções, planeja, projeta e gerencia sistemas organizacionais que envolvem recursos humanos, materiais, tecnológicos, financeiros e ambientais. Este profissional alia conhecimentos técnicos e gerenciais para otimização do uso de recursos produtivos e diminuir os custos de produção de bens e serviços. É também seu papel garantir o desempenho econômico eficaz que seja ambientalmente sustentável e responsável. Desta forma, ele constitui ator fundamental em indústrias e empresas de quase todos os setores, tanto no gerenciamento de recursos humanos, financeiros e materiais como no objetivo geral de aumentar a produtividade e rentabilidade da empresa.
A formação do Engenheiro de Produção associa conhecimento de engenharia a técnicas de administração e fundamentos de economia e engenharia, preparando-o para adotar procedimentos e métodos que racionalizam o trabalho, aperfeiçoam técnicas de produção e ordenam as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. Cabe a ele também, definir a melhor forma de integrar mão de obra, equipamentos e matéria-prima a fim de avançar na qualidade e aumentar a produtividade. Ao atuar como elo entre os setores técnicos e administrativos, seu campo de trabalho ultrapassa os limites da indústria, sendo seus conhecimentos progressivamente aplicáveis a praticamente todos os setores econômicos, sociais e ambientais contemporâneos.
A educação personalizada com atendimento docente individual ou em pequenos grupos, somada às tecnologias digitais, permite traçar para cada um dos educandos, seja na área de Engenharia de Produção como nas demais, os melhores percursos educacionais, customizados para cada objetivo, atores e circunstâncias. A educação a distância associada à educação personalizada representam uma real possibilidade de um novo período de ensino híbrido e flexível, assentado em uma abordagem metodológica onde a aprendizagem ocorre, principalmente, a partir da metodologia da problematização. Os temas são selecionados extraídos da realidade, ou de recortes da realidade, mediadas pela observação e análise do educando, ou da equipe de educandos, orientados por docentes, a quem chamamos neste caso de preceptores.
O preceptor é neste sentido um orientador educacional que coordena um conjunto específico de atividades, predominantemente presenciais, contribuindo ao longo do curso de graduação, especialmente coordenando soluções de problemas. Portanto, o preceptor atuará junto aos seus alunos, seja individualmente ou em pequenos grupos (com equipes em torno de cinco participantes), tanto no acolhimento inicial do Curso, contribuindo na superação de eventuais dificuldades, sejam elas de adaptação à metodologia ou decorrentes de carências de conteúdos prévios, como no incremento da capacidade de aprender a aprender, no estímulo à aprendizagem autônoma progressiva, na construção do conhecimento e na gestão de saberes e, especialmente, no desenvolvimento das competências e habilidades específicas do futuro profissional.
A preceptoria, de forma resumida, pode ser subdividida em três núcleos principais, a saber, iniciação, solidificação e emancipação. No primeiro, trata principalmente de adquirir competências básicas para a realização da vida acadêmica, além de desenvolver a ideia de pertencimento à instituição e ao curso específico, oportunizando o entendimento de co-responsabilidade pela aprendizagem e ressaltando a importância do trabalho colaborativo e em equipe.
No segundo núcleo, solidificação, a ênfase é no aprofundamento do ofício de ser aluno, via participação nos fóruns, atividades laboratoriais e de extensão, visitas coordenadas às empresas etc. No terceiro, emancipação, a concentração é no desenvolvimento de competências específicas exigidas no mundi do trabalho, dentro dos pilares: aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser, culminando com trabalhos de conclusão de cursos, defesa de projetos etc.
A matriz curricular que contempla as disciplinas mais tradicionais, maior parte delas à distância, combinada com as atividades de preceptoria, predominantemente presenciais, ao longo de todo o curso demandam sofisticadas integrações horizontais e verticais, mediadas por três eixos: (i) os temas básicos, (ii) profissionalizantes (ênfases em Gestão em Engenharia e Modelagem e Simulação) e (iii) eixos integradores específicos (mobilidade e logística, processos produtivos, projetos e finanças, gestão ambiental e agronegócio, entre outros).
Em resumo, indo além das habilidades da prática do altinho, há que se praticar um bom futebol. Mais do que o simples e essencial domínio das regras gramaticais e ortográficas, é preciso a capacidade de interpretar textos com profundidade e escrever com clareza e objetividade. Assim, profissionais Engenheiros, especialmente Engenheiros de Produção, formados dentro do que existe de mais avançado contemporaneamente, seja pelo uso de plataformas digitais avançadas ou de metodologias educacionais inovadoras, expressos no caso por educação personalizada e aprendizagem via solução de problemas ou baseada em projetos, estarão melhores preparados a desempenhar tarefas complexas e dispostos a enfrentar quaisquer desafios de forma criativa e inovadora.

Autor: Tags:

quarta-feira, 21 de outubro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 13:30

EaD + PBL = EPP (Educação Personalizada via Preceptor)

Compartilhe: Twitter

Em um contexto em que a informação está gradativamente sendo tornada totalmente acessível, instantaneamente disponibilizada e gratuitamente ofertada, o processo ensino-aprendizagem é profundamente afetado e a incorporação de novas tecnologias e a introdução de metodologias inovadoras são as marcas educacionais deste novo tempo.
Fruto destas transformações em curso, a educação superior demanda ser reinventada, onde a maior novidade é que as plataformas educacionais inovadoras e as novas abordagens metodológicas permitem explorar o aparente contraditório entre ensino de massas e qualidade, ou seja, estabelecer para cada estudante um tratamento individual e personalizado.
Diferentemente dos modelos tradicionais onde é razoável supor que à medida que o número de educandos cresce a tendência é cair a qualidade do processo, fruto da maior distância entre educando e educador, as plataformas de aprendizagem e as metodologias ativas inovadoras poderão progressivamente prover os educadores com informações cada vez mais precisas sobre o desempenho de cada aluno e estabelecer elos de proximidade inéditos. Pela primeira vez temos a real possibilidade de conjugar escala e quantidade, bem como atendimento de massa e personalização. Em outras palavras, prover educação de qualidade para muitos.
A educação personalizada com atendimento docente individual ou em pequenos grupos, somada às tecnologias digitais, permite entender e atender, de forma inédita nesta escala, cada um dos educandos e assim formular os melhores percursos educacionais, customizados para cada objetivo, atores e circunstâncias. O mais interessante é que quanto maior o número de estudantes envolvidos, em tese, o nível de precisão pode aumentar ainda mais, gerando uma metodologia, mediada por um docente especialmente preparado para esta missão, que se adapta e se ajusta permanentemente.
Nesta realidade, Educação a Distância (EaD) é mais do que simples modalidade, representando a real possibilidade de, ao conjugarmos quantidade com qualidade, massa com personalização, anunciamos um novo período de educação híbrida e flexível, em um mundo globalizado e literalmente sem fronteiras.
Entre as metodologias educacionais ativas contemporâneas, a Aprendizagem Baseada em Problemas (ou PBL, do inglês “Problem Based Learning”) é a abordagem onde o ensino e a aprendizagem ocorrem, principalmente, a partir da metodologia da problematização, sendo os temas selecionados extraídos da realidade, ou de recortes da realidade, mediadas pela observação e análise do educando ou da equipe de educandos orientados por docentes, a quem chamamos neste caso de preceptores.
No contexto da modalidade EaD e dentro da abordagem PBL, podemos introduzir a figura do preceptor como sendo um orientador educacional que coordena um conjunto específico de atividades, predominantemente presenciais, contribuindo ao longo do curso de graduação, especialmente coordenando soluções de problemas. Portanto, o preceptor atuará junto aos seus alunos, seja individualmente ou em pequenos grupos (com equipes em torno de cinco participantes), tanto no acolhimento inicial, contribuindo na superação de eventuais dificuldades, sejam elas de adaptação à metodologia ou decorrentes de carências de conteúdos prévios, como no incremento da capacidade de aprender a aprender, no estímulo à aprendizagem autônoma progressiva, na construção do conhecimento e na gestão de saberes e, especialmente, no desenvolvimento das competências e habilidades específicas do futuro profissional.
Em resumo, profissionais formados dentro do que existe de mais avançado contemporaneamente, seja pelo uso de plataformas digitais avançadas ou de metodologias educacionais inovadoras, expresso via a equação EaD + PBL = EPP, estarão aptos a desempenhar tarefas complexas e dispostos a enfrentar os desafios, sejam eles quais forem, frutos das novas ou ainda desconhecidas demandas.

Autor: Tags:

quinta-feira, 8 de outubro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação, Sem categoria | 07:26

Por que nós professores avaliamos os alunos?

Compartilhe: Twitter

Avaliar certamente tem a ver com aprovar ou não os educandos, mas esse não deve ser o único motivo, talvez nem o principal. Tão ou mais importante que medir o quanto sabem nossos alunos é tentar obter dados que permitam conferir e repensar permanentemente as abordagens educacionais adotadas. Se possível, ao avaliarmos, conhecê-los melhor e porque os conhecemos e os reconhecemos individualmente sermos capazes de traçar percursos de aprendizagem adequados.
Nas abordagens mais comuns boa parte das avaliações se dá via questões ou tarefas que pretendem responder se o aluno sabe ou não sabe. Sendo assim, em geral, importa quase exclusivamente se as repostas às questões estão certas ou erradas. Normalmente, as respostas erradas, além de indesejáveis, são, em geral, inúteis do ponto de vista consequências futuras no próprio processo em curso. O fruto da avaliação, nesta perspectiva mais simplista, não vai além de um atestado que pretende informar se o estudante domina ou não aquele conteúdo específico.
Para os professores mais comprometidos as respostas erradas têm a mesma relevância que as certas. Se as respostas certas atestam algum domínio do conteúdo, as erradas permitem identificar eventuais lacunas, possíveis conceitos equivocados, ritmos adequados de aprendizagem, dificuldades em interpretar texto, falta de foco e concentração, ausência de atitudes e iniciativas etc.
Na verdade, não somente respostas às questões importam, elas se somam a um conjunto enorme de atos, comportamentos, velocidades, reações e capacidades de enfrentar desafios, de forma isolada ou em equipe, que no global evidenciam habilidades e competências muitas vezes difíceis, ou mesmo impossíveis, de serem identificadas somente via testes padrão. As provas tradicionais somente enxergam, quando bem feitas, se as informações foram ou não assimiladas. As demandas do presente, e especialmente do futuro, vão muito além da informação pura e simples e tendem a não ter esse elemento como parâmetro central. Avaliar não ficou mais simples, ficou muito mais complexo.
A título de exemplo, optaria, preliminarmente, por uma comparação com jazz. Observe uma banda de jazz e perceba: (i) que o público sabe identificar diferenças entre uma banda que tem qualidade de outra com menor valor; e (ii) se todos os componentes tocarem solo, também saberão, razoavelmente, identificar quem toca bem e quem não toca tão bem. Insisto nesta comparação, mais uma vez, para destacar que avaliar implica em estimular, sempre que possível, o trabalho em grupo, ressaltando o quão essencial é criar em equipe, mas que tal processo também demanda, em geral, individualizar, permitindo perceber no grupo o que cada um efetivamente fez ou deixou de fazer.
Assim, nas boas “performances” de jazz, ao longo da apresentação coletiva, cada instrumentista é convocado a tocar separadamente. Neste caso, é esperado que o solo contivesse todos os compassos da música, evitando os chamados “riffs”, frases curtas e repetidas de poucas notas. Mesmo assim, talentosos músicos saberão tocar “riffs” com habilidade e competência, alterando suas notas e seus tempos.
Da diversidade e da pluralidade nascem equipes fantásticas, em que, talvez, nenhum deles, individualmente, seja tão diferenciado. Às vezes, o mais discreto e não necessariamente o mais habilidoso instrumentista pode ser, por outras razões, a mola propulsora do grupo. Há, por outro lado, casos de junção de bons músicos sem que os resultados esperados tenham emergido. Há casos desastrosos em que a banda não funciona coletivamente e nem individualmente e o som final sugere mudanças ou reprovações.
Nestes dias próximos do Dia do Professor celebremos aqueles docentes que avaliam para aprovar ou reprovar, mas que vão além. Eles o fazem para conhecer melhor os educandos e ao conhecê-los poder traçar trajetórias específicas que reflitam os caminhos mais adequados de um processo de aprendizagem que demanda ser, cada vez mais, personalizado, ainda que conjugado com grande escala. Parabéns especiais a esses professores que viabilizam quantidade e qualidade e que entendem que todos aprendem, todos aprendem sempre, mas cada qual aprende na sua maneira única.

Autor: Tags:

segunda-feira, 28 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação, Sem categoria | 17:25

Papel dos Preceptores na Formação de Professores

Compartilhe: Twitter

Ao introduzirmos na modalidade a distância componentes híbridos envolvendo atividades online e presenciais, somados à incorporação de professores preceptores neste processo, temos a oportunidade de inserir na formação de professores, tanto nos cursos de Pedagogia como de Licenciaturas, um ensino integrado e integrador, explorando a utilização de plataformas digitais e propiciando contatos e usos efetivos de objetos de aprendizagem na educação básica. Almeja-se formandos nestas áreas com a mesma qualidade das melhores experiências tradicionais acrescidas da particularidade de saberem lidar muito bem com plataformas educacionais e a utilização de objetos digitais de aprendizagem.
O ensino híbrido e flexível representa a estratégia educacional com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Na educação flexível, via o uso de plataformas e metodologias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.
Neste contexto, o papel do professor preceptor vai além de fornecer preceitos ou instruções, sendo especialmente um profissional experiente que, por meio de situações e problemas reais, auxilia na formação integral de seus educandos, preparando-os para os desafios do futuro, especificamente neste caso para o exercício da docência na educação básica.
Na sociedade contemporânea, onde a informação está, cada vez mais, totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda a vida. Mais do que isso, esta formação deve evidenciar aos futuros professores que cada educando aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, despertar nos alunos das áreas de Licenciaturas e Pedagogia a percepção de que, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com individualidade. Ou seja, via atendimento personalizado, cabe ao preceptor trabalhar com seus alunos explorando práticas didáticas, ajustáveis e adaptadas a cada contexto específico e a cada grupo de alunos.
Desta forma, o professor preceptor atua, ao longo do curso de graduação, numa combinação muito interessante, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro professor, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam ao colaborar na aprendizagem dos demais.
O preceptor pode, combinando atividades presenciais e a distância, preparar seus alunos para auxiliar, complementarmente, na utilização em escolas públicas de educação básica de bancos públicos de objetos de aprendizagem. Por exemplo, o MEC tem um bom repositório de objetos digitais de aprendizagem e o seu uso poderia ser muito ampliado se ao longo do percurso formativo na graduação os alunos fossem estimulados a praticar sua adoção junto às escolas de ensino fundamental e médio. Um provável motivo de um uso ainda a ser melhor explorado é que os docentes atuais talvez demandem uma formação complementar. Os alunos dos cursos nesta modalidade poderiam ter como especial tarefa interagir com os docentes, preparando os adequadamente para potencial o uso desses portais.
Assim, caberia ao aluno de graduação em Pedagogia ou Licenciaturas, sob supervisão do preceptor, em sintonia com as escolas de educação básica selecionadas, colaborar principalmente na capacitação dos docentes dessas escolas quanto ao uso de portais de aprendizagem, a exemplo do repositório Banco Internacional de Objetos de Aprendizagem, BIOE. Este citado repositório, a título de ilustração, possui objetos educacionais de acesso público, em vários formatos e para todos os níveis de ensino. Os objetos podem ser acessados gratuitamente, possuindo da ordem de 20 mil objetos publicados, cobrindo todas as áreas, do ensino infantil ao ensino superior e temas de interesse geral.
O BIOE foi criado em 2008 pelo Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, Rede Latino-americana de Portais Educacionais – RELPE e Organização dos Estados Ibero-americanos Seu propósito principal é manter e compartilhar recursos educacionais digitais de livre acesso, mais elaborados e em diferentes formatos – como áudio, vídeo, animação, simulação, software educacional – além de imagem, mapa, hipertexto considerados relevantes e adequados à realidade da comunidade educacional local, respeitando-se as diferenças de língua e culturas regionais. O repositório está integrado ao Portal do Professor, também do Ministério da Educação.
Os materiais publicados neste espaço estão disponíveis gratuitamente aos gestores de políticas educacionais locais, gestores escolares, gestores de repositórios educacionais, bem como os professores da educação básica, profissional e superior, além dos produtores de recursos pedagógicos digitais, pesquisadores e da população em geral. O BIOE pode ser consultado via o endereço eletrônico: http://objetoseducacionais2.mec.gov.br e é composto de recursos que se encontram em domínio público ou que contam com a devida licença por parte dos titulares dos direitos autorais para visualização, cópia, distribuição ou tradução, permitindo esta licença o uso estritamente educacional, sendo vedada a sua utilização para fins lucrativos.
Assim, a construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, permite formar professores contando com a participação estratégica do professor preceptor. Seu papel na formação dos alunos deverá atender a peculiaridades de cada área de atuação futura e contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas, baseadas na capacidade de resolver problemas, tendo como frutos formandos com plena competência para enfrentar as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 18:15

Educação Híbrida e o Preceptor

Compartilhe: Twitter

Há um relativo consenso ente os educadores de que o ensino híbrido e flexível representa a metodologia com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Desta forma, torna-se possível desenvolver metodologias inovadoras que incorporam adequadamente tecnologias digitais ao currículo escolar e às atividades desenvolvidas nas salas de aula, sejam elas físicas ou virtuais.

Na educação flexível, via o uso de plataformas e pedagogias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.

A educação híbrida significa, em contraposição ao ensino tradicional, uma real possibilidade de enfrentar os desafios contemporâneos. Ensinar, enquanto conceito geral, esteve por muito tempo associado a basicamente transferir conhecimentos, principalmente via aulas expositivas centradas no professor e assentado nas configurações clássicas das escolas tradicionais. O século passado parece ter sido o apogeu, em termos de sucesso, consolidando esta abordagem. Ou seja, as metodologias de ensino associadas estabeleceram com os modelos de desenvolvimento econômicos e sociais dominantes grande sintonia, gerando, no passado próximo, resultados considerados convincentes e satisfatórios.

Os tempos atuais são bem mais complexos, onde os modelos tradicionais evidenciam fragilidades, demandando visões contemporâneas sobre educar, as quais remetem a, principalmente, criar as condições e possibilidades de construção de processos de  aprendizagem  centrados nos educandos, baseados na farta e inédita interatividade viabilizada pelas tecnologias digitais, no imprescindível estímulo individual ao aprender a aprender e, especialmente, na preparação desses educandos para resolver problemas.

Nesta abordagem baseada no estímulo ao aprender a aprender e na solução de problemas, como procedimento padrão, os educadores expõem casos e os educandos, tanto individualmente como especialmente em equipes, identificam e aprofundam os temas, investigam, discutem, interpretam, predizem e constroem possíveis soluções. Este processo se desenvolve via um ensino integrado e integrador, tanto de conteúdos como das distintas áreas de conhecimento envolvidas.

Neste novo contexto, surgem e ressurgem figuras educacionais que visem a propiciar maior eficiência e eficácia às metodologias associadas, bem como às tecnologias inovadoras incorporadas. A mais interessante delas é a possibilidade de uma releitura indispensável do papel inovador do tradicional professor preceptor, lembrando que um conceito não tem necessariamente um único significado definitivo e permanente, mas sim ele é construído por suas relações com os fatos, continuamente ao longo dos tempos.

Classicamente, o preceptor é aquele dá preceitos ou instruções, genericamente confundido com o educador, o mentor ou o instrutor. Especificamente, onde esta figura mais se consolidou até aqui foi na área da saúde, como o responsável por conduzir e supervisionar, por meio de orientação e acompanhamento, o desenvolvimento de médicos residentes e demais profissionais nas especialidades de um hospital. Anteriormente, nos internatos ou mesmo em ambientes domésticos, cabia à figura de um preceptor acompanhar genericamente a educação de uma criança ou de um jovem, preparando para a inserção e socialização desses educandos na vida adulta. Tanto em uma situação como na outra, o preceptor é, essencialmente, um profissional experiente apto a auxiliar na formação integral de seus aprendizes, preparando-os para os desafios do futuro.

Na sociedade contemporânea, onde a informação está totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda vida. Principalmente, fica evidente que cada um aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com especificidade. Ou seja, é factível, mesmo em atendimentos de grande massa, propiciar percursos acadêmicos totalmente personalizados, ajustáveis e adaptados a cada educando.

Neste contexto, ressurge o profissional professor preceptor, numa combinação muito interessante dos dois papéis anteriores, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro profissional, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam.

A construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, demanda a participação estratégica do professor preceptor, contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo, visando a preparação do futuro profissional e cidadão. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas que pretendam ter plena correspondência com as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

quinta-feira, 10 de setembro de 2015 Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 23:41

Estácio de Sá e histórias de pioneirismos

Compartilhe: Twitter

Este ano a cidade do Rio de Janeiro comemora 450 anos de sua fundação. Quem reclama, com razão, da sensação do convívio com a violência hoje em dia, talvez não consiga imaginar o nível das lutas que marcaram os períodos próximos ao ano de 1565, ano de fundação da cidade, envolvendo portugueses, índios e franceses.
Nossa história começa quando Estácio de Sá, sobrinho de Mem de Sá, terceiro governador-geral do Brasil, foi nomeado por Dona Catarina, rainha de Portugal, capitão de armada com a missão específica de expulsar os franceses da costa brasileira.
Estácio aporta na Bahia ao final de 1563 e depois, passando pelo Espírito Santo, chega ao litoral do Rio de Janeiro. Frente aos conflitos intensos com os índios, Estácio desloca-se inicialmente para São Vicente, onde fica em torno de nove meses, à espera de reforços vindos dos padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta.
Em 01 de março de 1565, Estácio de Sá e sua frota desembarcam em definitivo entre os morros Cara de Cão e Pão de Açúcar, onde fundam a cidade do Rio de Janeiro, dispostos a acabar com o domínio de mais de uma década dos franceses na região.
Os índios tamoios, aliados dos franceses, imediatamente atacam os portugueses recém-chegados. Somente dois anos depois, com reforços enviados por Mem de Sá, os portugueses consolidam seus domínios, contando com o apoio dos índios termiminós, inimigos dos tamoios. Porém, ao longo deste processo de conquista, o pioneiro Estácio de Sá é ferido mortalmente por uma flecha que lhe vazou um olho na Batalha de Uruçu-mirim, vindo a falecer um mês depois do incidente, provavelmente por septicemia decorrente do ferimento.
O nome Estácio de Sá estaria a partir daí marcado para sempre na história, eternizado como fundador daquela que viria a ser conhecida mundialmente como Cidade Maravilhosa. Cidade esta que seria depois capital do país e também estendendo sua denominação ao estado que até hoje a abriga.
Mas não foi somente aí que o nome Estácio e marcas de pioneirismo estiveram associados. Entre tantas organizações que depois fizeram jus a esta bela história e ao uso da denominação, cabe destacar uma delas que neste mesmo ano de 2015 se orgulha de completar 45 anos. A hoje Universidade Estácio de Sá é uma das maiores e mais importantes do país, seja em número de alunos, em evidências de pioneirismo em sua área e, especialmente, em termos de efetivo potencial para cumprir sua maior missão educacional, ou seja, levar educação superior de qualidade para muitos.
A Estácio nasceu no bairro do Rio Comprido, em 1970, fundada por Dr. João Uchôa Cavalcanti Neto, incialmente como faculdade de Direito, transformada posteriormente em universidade em 1988. Atualmente, passados 45 anos, fruto do pioneirismo de seu fundador e dos esforços de todos aqueles que lhe sucederam, a Universidade Estácio de Sá é a matriz do Grupo Educacional Estácio, presente praticamente em todo o país, atingindo mais de meio milhão de matrículas, atendidos por quase dez mil qualificados docentes e cinco mil competentes gestores.
A Estácio atua em todas as áreas de graduação e pós-graduação, tanto na modalidade presencial como a distância, contando também com reconhecidos cursos de mestrado e doutorado, todos com avaliações positivas pelo MEC. Entre as principais missões da Estácio está romper a falsa dicotomia entre prestar atendimentos de qualidade e fazê-lo para muitos. Em geral, para infortúnio do país, quando oportunizamos acesso de qualidade o fazemos, como regra, para poucos e quando atendemos muitos, quase que inexoravelmente, incorporamos má qualidade. A Estácio nasceu, e assim permanece até os dias de hoje, com a tarefa de quebrar este paradigma, harmonizando e conjugando qualidade e quantidade.
Para a comunidade educacional Estácio, que pretende desta forma honrar o nome do fundador do Rio e de seu próprio fundador, a tarefa principal é fazer uso da criatividade e do espirito pioneiro que lhe marcam o nome para viabilizar um empreendedorismo inovador que garanta produtos e serviços que propicie qualidade para todos.

Autor: Tags:

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia | 15:37

Aprender a aprender é mais do que aprender

Compartilhe: Twitter

O ensino tradicional tem como foco central ensinar conteúdos, técnicas e procedimentos. O fruto direto do processo, ou seja, o que se aprendeu é, em geral, considerado mais importante do que o processo em si.

Tal modelo funcionou porque era harmônico com o mundo do trabalho correspondente no qual foi aplicado – ambientes baseados nos modelos de produção fordistas e tayloristas – e coerente com as correspondentes demandas por especialistas com memória apurada aplicada em atividades bem configuradas. Tudo isso em pleno acordo com o contexto geral dos últimos séculos, em especial com o século XX.

Esta solução educacional funcionou tão bem e por tanto tempo que aquilo que era uma metodologia entre várias quase virou sinônimo de método educacional, como se fora único e indiscutível. Desta forma, persistindo como dominante no cenário do processo de aprendizagem até hoje e, quando muito, permitindo variações sobre o mesmo tema, sem alterar sua essência.

Ao privilegiar o conteúdo aprendido sobre a consciência e o amadurecimento do hábito de aprender, predominou a ênfase na cognição, a qual está associada ao ato de conhecer, incluindo os estados mentais associados e os processos do pensamento relacionados à aquisição de conhecimentos. A cognição, com ênfase no saber algo, envolve múltiplos fatores como linguagem, percepção, memória, lógica, raciocínio e outros elementos importantes do desenvolvimento intelectual.

As tecnologias inovadoras, especialmente as tecnologias digitais, fizeram brotar uma sociedade contemporânea bastante distinta daquelas que vivenciamos antes. Pela primeira vez exploramos a oportunidade de termos informação plena e total, instantaneamente e gratuitamente acessível. Um dos reflexos decorrentes desta revolução diz respeito ao fato de que cognição perde sua centralidade, abrindo espaço, em termos de relevância, para um conceito mais amplo, a metacognição.

Metacognição, etimologicamente, significa “para além da cognição”, ou seja, a faculdade de conhecer o próprio ato de conhecer, associado à consciência dos atores envolvidos no processo de aprendizagem acerca de como se aprende ou como se ensina. O conceito de metacognição está relacionado ao ato de pensar sobre o próprio pensamento, onde a reflexão e a autoconsciência sobre a maneira como se aprende tornam-se, progressivamente, mais importantes do que o próprio ato de aprender em si.

Assim, mais importante do que aquilo que se aprendeu é se, ao longo do processo de aprendizagem, ao educando foi possível adquirir mais clareza acerca de como ele aprende, aumentando o seu nível de consciência sobre os mecanismos segundo os quais o processo pessoal ou coletivo de aprendizagem se desenvolve.

Neste novo contexto, o complexo aprender a aprender passa a ser mais relevante do que o simples aprender. O simples aprender tem tudo a ver com um mundo em que o período escolar estava circunscrito a um período limitado da vida. Em tempos passados, os profissionais, uma vez graduados, estavam prontos para suas missões e demandas futuras e, via de regra, sobreviviam de forma satisfatória no mundo do trabalho. O sofisticado aprender a aprender estabelece compatibilidade com educação ao longo da vida, com o conceito de  educação contínua e permanente.

Em suma, a cognição se preocupa quase que exclusivamente com constatar se o aluno aprendeu ou não (sabe ou não sabe); a metacognição inclui, com igual peso, o quanto o educando e o educador percebem a forma e os mecanismos com que eles próprios aprendem e ensinam (preparação ao saber resolver, portanto). Neste sentido, a cognição, associada ao aprender, atende ao passado e a metacognição, associada ao aprender a aprender, contempla o futuro.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 17 de agosto de 2015 Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 15:31

Inovar é garantir qualidade para muitos

Compartilhe: Twitter

Inovar foi a grande marca do século XX. Ao longo da história, o significado de inovação nem sempre foi o mesmo. Certamente os tempos atuais e o contexto específico do Brasil demandam refinamentos e especificidades de seu significado.

No século passado, do conhecimento científico se fez a tecnologia, a qual chegou abundante ao mercado na forma de inovações. Estas, por sua vez, resolveram problemas e ganharam escalas compatíveis com um planeta cada vez mais globalizado. A mais comum e aceita definição clássica deste tipo de inovação foi cunhada por Joseph Schumpter como sendo qualquer novo produto ou processo, bem como uma nova funcionalidade de um produto já existente, que atendessem demandas.

Adotou-se também associar a capacidade de inovação como principal referência para estabelecer a competitividade entre os países, ao lado da qualidade da educação, taxa de poupança (se alta, baixa juros e barateia o crédito) e estabilidade macroeconômica. Especificamente sobre investimentos em pesquisa e desenvolvimento, matriz do processo de inovação, a título de exemplo, os Estados Unidos investem algo em torno de 2,7% do PIB, onde somente 0,7% vem diretamente do Governo e o restante do setor privado. O Brasil, além de investir menos, algo em torno de 1,2%, 0,7% vem do Governo. Ou seja, o setor privado nacional investe aproximadamente quatro vezes menos, em percentuais dos respectivos PIBs, do que aplicam as empresas americanas.

Novos tempos sugerem novas abordagens e a maior novidade contemporânea é a emergência de uma sociedade caracterizada pela inédita informação plenamente acessível, instantaneamente disponibilizada e progressivamente gratuita. Neste novo contexto, espaços de economias baseadas em compartilhamento passam a se apresentar como candidatas a se tornarem dominantes, em detrimento dos setores clássicos da economia. Mais do que possuir bens genéricos, comportamento típico do século passado, a população passa a almejar, prioritariamente, a garantia de acesso a serviços de qualidade.

Corremos o risco de permitir uma sociedade excludente sem precedentes, onde as diferenças entre os que têm total acesso, comparadas com os que nada têm, podem ser ampliadas ainda mais. Bem como temos a oportunidade de seu oposto, ou seja, fazer uso das tecnologias digitais  inovadoras e viabilizar comunidades mais inclusivas e sustentáveis, onde o acesso a produtos e serviços de qualidade é estendido a muitos.

O Brasil tem provado ser um país capaz de prestar atendimentos de qualidade, desde que para poucos, ou então para muitos, desde que sem garantias de qualidade. Não aprendemos, infelizmente, fazer as duas coisas, qualidade e quantidade, ao mesmo tempo.  Harmonizar bom nível e escala é a mais importante inovação que o país precisa. Em certo sentido, ainda somos arcaicos, avançamos pouco além do que há tempos atrás foi descrito por Gilberto Freyre em “Casa-Grande & Senzala”.

No campo da educação, bem como na saúde, houve avanços, mas eles seguiram a regra da não inovação. Universalizamos em grande escala com má qualidade, bem como registramos, como exceções,  localizados centros de excelências.

Propiciar qualidade para poucos ou então ofertar qualidade precária para muitos não é inovar, é repetir o passado sem graça. Inovar no Brasil de hoje é romper as barreiras que separam a Casa-Grande da Senzala, viabilizando qualidade para muitos.

Autor: Tags: ,

  1. Primeira
  2. 4
  3. 5
  4. 6
  5. 7
  6. 8
  7. Última