Publicidade

Arquivo da Categoria aprendizagem

quinta-feira, 8 de outubro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação, Sem categoria | 07:26

Por que nós professores avaliamos os alunos?

Compartilhe: Twitter

Avaliar certamente tem a ver com aprovar ou não os educandos, mas esse não deve ser o único motivo, talvez nem o principal. Tão ou mais importante que medir o quanto sabem nossos alunos é tentar obter dados que permitam conferir e repensar permanentemente as abordagens educacionais adotadas. Se possível, ao avaliarmos, conhecê-los melhor e porque os conhecemos e os reconhecemos individualmente sermos capazes de traçar percursos de aprendizagem adequados.
Nas abordagens mais comuns boa parte das avaliações se dá via questões ou tarefas que pretendem responder se o aluno sabe ou não sabe. Sendo assim, em geral, importa quase exclusivamente se as repostas às questões estão certas ou erradas. Normalmente, as respostas erradas, além de indesejáveis, são, em geral, inúteis do ponto de vista consequências futuras no próprio processo em curso. O fruto da avaliação, nesta perspectiva mais simplista, não vai além de um atestado que pretende informar se o estudante domina ou não aquele conteúdo específico.
Para os professores mais comprometidos as respostas erradas têm a mesma relevância que as certas. Se as respostas certas atestam algum domínio do conteúdo, as erradas permitem identificar eventuais lacunas, possíveis conceitos equivocados, ritmos adequados de aprendizagem, dificuldades em interpretar texto, falta de foco e concentração, ausência de atitudes e iniciativas etc.
Na verdade, não somente respostas às questões importam, elas se somam a um conjunto enorme de atos, comportamentos, velocidades, reações e capacidades de enfrentar desafios, de forma isolada ou em equipe, que no global evidenciam habilidades e competências muitas vezes difíceis, ou mesmo impossíveis, de serem identificadas somente via testes padrão. As provas tradicionais somente enxergam, quando bem feitas, se as informações foram ou não assimiladas. As demandas do presente, e especialmente do futuro, vão muito além da informação pura e simples e tendem a não ter esse elemento como parâmetro central. Avaliar não ficou mais simples, ficou muito mais complexo.
A título de exemplo, optaria, preliminarmente, por uma comparação com jazz. Observe uma banda de jazz e perceba: (i) que o público sabe identificar diferenças entre uma banda que tem qualidade de outra com menor valor; e (ii) se todos os componentes tocarem solo, também saberão, razoavelmente, identificar quem toca bem e quem não toca tão bem. Insisto nesta comparação, mais uma vez, para destacar que avaliar implica em estimular, sempre que possível, o trabalho em grupo, ressaltando o quão essencial é criar em equipe, mas que tal processo também demanda, em geral, individualizar, permitindo perceber no grupo o que cada um efetivamente fez ou deixou de fazer.
Assim, nas boas “performances” de jazz, ao longo da apresentação coletiva, cada instrumentista é convocado a tocar separadamente. Neste caso, é esperado que o solo contivesse todos os compassos da música, evitando os chamados “riffs”, frases curtas e repetidas de poucas notas. Mesmo assim, talentosos músicos saberão tocar “riffs” com habilidade e competência, alterando suas notas e seus tempos.
Da diversidade e da pluralidade nascem equipes fantásticas, em que, talvez, nenhum deles, individualmente, seja tão diferenciado. Às vezes, o mais discreto e não necessariamente o mais habilidoso instrumentista pode ser, por outras razões, a mola propulsora do grupo. Há, por outro lado, casos de junção de bons músicos sem que os resultados esperados tenham emergido. Há casos desastrosos em que a banda não funciona coletivamente e nem individualmente e o som final sugere mudanças ou reprovações.
Nestes dias próximos do Dia do Professor celebremos aqueles docentes que avaliam para aprovar ou reprovar, mas que vão além. Eles o fazem para conhecer melhor os educandos e ao conhecê-los poder traçar trajetórias específicas que reflitam os caminhos mais adequados de um processo de aprendizagem que demanda ser, cada vez mais, personalizado, ainda que conjugado com grande escala. Parabéns especiais a esses professores que viabilizam quantidade e qualidade e que entendem que todos aprendem, todos aprendem sempre, mas cada qual aprende na sua maneira única.

Autor: Tags:

segunda-feira, 28 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação, Sem categoria | 17:25

Papel dos Preceptores na Formação de Professores

Compartilhe: Twitter

Ao introduzirmos na modalidade a distância componentes híbridos envolvendo atividades online e presenciais, somados à incorporação de professores preceptores neste processo, temos a oportunidade de inserir na formação de professores, tanto nos cursos de Pedagogia como de Licenciaturas, um ensino integrado e integrador, explorando a utilização de plataformas digitais e propiciando contatos e usos efetivos de objetos de aprendizagem na educação básica. Almeja-se formandos nestas áreas com a mesma qualidade das melhores experiências tradicionais acrescidas da particularidade de saberem lidar muito bem com plataformas educacionais e a utilização de objetos digitais de aprendizagem.
O ensino híbrido e flexível representa a estratégia educacional com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Na educação flexível, via o uso de plataformas e metodologias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.
Neste contexto, o papel do professor preceptor vai além de fornecer preceitos ou instruções, sendo especialmente um profissional experiente que, por meio de situações e problemas reais, auxilia na formação integral de seus educandos, preparando-os para os desafios do futuro, especificamente neste caso para o exercício da docência na educação básica.
Na sociedade contemporânea, onde a informação está, cada vez mais, totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda a vida. Mais do que isso, esta formação deve evidenciar aos futuros professores que cada educando aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, despertar nos alunos das áreas de Licenciaturas e Pedagogia a percepção de que, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com individualidade. Ou seja, via atendimento personalizado, cabe ao preceptor trabalhar com seus alunos explorando práticas didáticas, ajustáveis e adaptadas a cada contexto específico e a cada grupo de alunos.
Desta forma, o professor preceptor atua, ao longo do curso de graduação, numa combinação muito interessante, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro professor, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam ao colaborar na aprendizagem dos demais.
O preceptor pode, combinando atividades presenciais e a distância, preparar seus alunos para auxiliar, complementarmente, na utilização em escolas públicas de educação básica de bancos públicos de objetos de aprendizagem. Por exemplo, o MEC tem um bom repositório de objetos digitais de aprendizagem e o seu uso poderia ser muito ampliado se ao longo do percurso formativo na graduação os alunos fossem estimulados a praticar sua adoção junto às escolas de ensino fundamental e médio. Um provável motivo de um uso ainda a ser melhor explorado é que os docentes atuais talvez demandem uma formação complementar. Os alunos dos cursos nesta modalidade poderiam ter como especial tarefa interagir com os docentes, preparando os adequadamente para potencial o uso desses portais.
Assim, caberia ao aluno de graduação em Pedagogia ou Licenciaturas, sob supervisão do preceptor, em sintonia com as escolas de educação básica selecionadas, colaborar principalmente na capacitação dos docentes dessas escolas quanto ao uso de portais de aprendizagem, a exemplo do repositório Banco Internacional de Objetos de Aprendizagem, BIOE. Este citado repositório, a título de ilustração, possui objetos educacionais de acesso público, em vários formatos e para todos os níveis de ensino. Os objetos podem ser acessados gratuitamente, possuindo da ordem de 20 mil objetos publicados, cobrindo todas as áreas, do ensino infantil ao ensino superior e temas de interesse geral.
O BIOE foi criado em 2008 pelo Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, Rede Latino-americana de Portais Educacionais – RELPE e Organização dos Estados Ibero-americanos Seu propósito principal é manter e compartilhar recursos educacionais digitais de livre acesso, mais elaborados e em diferentes formatos – como áudio, vídeo, animação, simulação, software educacional – além de imagem, mapa, hipertexto considerados relevantes e adequados à realidade da comunidade educacional local, respeitando-se as diferenças de língua e culturas regionais. O repositório está integrado ao Portal do Professor, também do Ministério da Educação.
Os materiais publicados neste espaço estão disponíveis gratuitamente aos gestores de políticas educacionais locais, gestores escolares, gestores de repositórios educacionais, bem como os professores da educação básica, profissional e superior, além dos produtores de recursos pedagógicos digitais, pesquisadores e da população em geral. O BIOE pode ser consultado via o endereço eletrônico: http://objetoseducacionais2.mec.gov.br e é composto de recursos que se encontram em domínio público ou que contam com a devida licença por parte dos titulares dos direitos autorais para visualização, cópia, distribuição ou tradução, permitindo esta licença o uso estritamente educacional, sendo vedada a sua utilização para fins lucrativos.
Assim, a construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, permite formar professores contando com a participação estratégica do professor preceptor. Seu papel na formação dos alunos deverá atender a peculiaridades de cada área de atuação futura e contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas, baseadas na capacidade de resolver problemas, tendo como frutos formandos com plena competência para enfrentar as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

segunda-feira, 21 de setembro de 2015 aprendizagem | 09:48

Conselhos aos educandos do signo de Libras

Compartilhe: Twitter

libras

Há os que acreditam em signos e há os que não creem. Estou no segundo grupo. O que não me impede de ler as recomendações dos entendidos e crentes. Hoje, excepcionalmente, além de lê-las, também farei minhas próprias previsões. Em espanhol fica bem melhor, mas em português seria: “não creio em bruxas, mas que elas existem, existem…”.

Vamos aos conselhos para os librianos que nasceram ente 23 de setembro e 22 de outubro. Libras ou Balança é o signo governado por Vênus, sendo as características dos nascidos neste signo: encantadores, afáveis, equilibrados e gostam muito de estudar, mesmo que não percebam isso de imediato. A única certeza, por enquanto, é que quanto mais escolaridade, mais diplomáticos e mais sociáveis.

Por outro lado, os librianos são indecisos e facilmente influenciáveis por terceiros, podendo mudar de opinião facilmente e se tornarem muito condescendentes ou irritados. Assim, quanto mais se dedicarem aos estudos, melhor superarão suas eventuais deficiências e fragilidades.

Os librianos gostam de viver e trabalhar em equipe, o que torna fácil explorar este importante aspecto educacional, ou seja a habilidade em lidar com as pessoas e em cada um reconhecer suas qualidades e fragilidades, promovendo as combinações corretas na busca da melhor solução compartilhada de um eventual problema.

Além disso, os nascidos neste signo são em geral muito curiosos, o que é ótimo. O hábito e o interesse em descobrir coisas novas é essencial para uma educação que estimula a investigação. A parte ruim é que, se não estudarem, corre-se o risco de gastarem essa característica em fofocas, dada a relativa propensão em, por fruto da curiosidade, meterem-se na vida ou nos assuntos dos outros.

Atravessamos um período excepcional para negócios aos librianos. Aconselho bolsa de valores e dólar, mas o mais seguro mesmo seria se dedicar aos estudos, aumentando o nível de escolaridade e de compreensão do mundo. Lembrando que, no que diz respeito à bolsa e ao dólar, tudo pode acontecer, inclusive nada. Quanto aos estudos, só coisas boas.

Os librianos são cheios de charme e adeptos do romantismo. Questionam sempre o equilíbrio entre o desejo de liberdade versus a vontade do relacionamento, inerente à famosa indecisão libriana, que vai de um lado a outro, tentando descobrir o que é realmente melhor. A única certeza é que a dedicação a ampliar seus conhecimentos seria fartamente recompensada, até mesmo clareando melhor suas próprias e inatas indecisões.

Através dos relacionamentos interpessoais, os librianos encontram o pleno desenvolvimento da consciência. Isso é crucial tanto para aprimorar o processo cognitivo, facilitando a aprendizagem, como o metacognitivo, no que diz respeito a entender melhor como se aprende, aprimorando sua capacidade de aprender a aprender.

Quem nasce neste signo desenvolve a capacidade de reconhecer no outro um semelhante, assim sendo, estão dadas as condições de ampliar seu potencial de empatia, ou seja, entender o outro por se colocar no lugar do outro.

Por fim, para quem quer saber minhas previsões para o seu dia, vamos a elas: Mercúrio neste momento caminha em seu signo e recebe uma forte pressão de Urano e Plutão, indicando irritabilidade e intolerância. Evite atritos, mantenha a calma e a racionalidade e, por favor, não se envolva em provocações e evite brigas. O momento não poderia mais apropriado para meditar, escrever e dedicar-se à leitura e aos estudos, especialmente de temas do seu interesse profissional ou de cultural geral.

Em suma, há previsões variadas, nem todas darão totalmente certas, especialmente porque não sei seus respectivos ascendentes. Mas sejam eles quais forem, estude, estude sempre, que o futuro certamente será bem melhor. Parabéns, vocês librianos nasceram com essa maravilhosa propensão de apreço ao conhecimento. Essa é sua boa sina, deixem que ela flua e não creiam em bruxas porque, definitivamente, elas não existem.

Autor: Tags:

segunda-feira, 14 de setembro de 2015 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 18:15

Educação Híbrida e o Preceptor

Compartilhe: Twitter

Há um relativo consenso ente os educadores de que o ensino híbrido e flexível representa a metodologia com as melhores possibilidades de incorporar as boas experiências das duas modalidades, presencial e a distância. Desta forma, torna-se possível desenvolver metodologias inovadoras que incorporam adequadamente tecnologias digitais ao currículo escolar e às atividades desenvolvidas nas salas de aula, sejam elas físicas ou virtuais.

Na educação flexível, via o uso de plataformas e pedagogias adequadas, bem como aplicativos e ferramentas digitais amplamente disponíveis, é possível personalizar o ensino de acordo com as especificidades de cada contexto e das necessidades de cada aluno, oferecendo um aprendizado cada vez mais direcionado e efetivo.

A educação híbrida significa, em contraposição ao ensino tradicional, uma real possibilidade de enfrentar os desafios contemporâneos. Ensinar, enquanto conceito geral, esteve por muito tempo associado a basicamente transferir conhecimentos, principalmente via aulas expositivas centradas no professor e assentado nas configurações clássicas das escolas tradicionais. O século passado parece ter sido o apogeu, em termos de sucesso, consolidando esta abordagem. Ou seja, as metodologias de ensino associadas estabeleceram com os modelos de desenvolvimento econômicos e sociais dominantes grande sintonia, gerando, no passado próximo, resultados considerados convincentes e satisfatórios.

Os tempos atuais são bem mais complexos, onde os modelos tradicionais evidenciam fragilidades, demandando visões contemporâneas sobre educar, as quais remetem a, principalmente, criar as condições e possibilidades de construção de processos de  aprendizagem  centrados nos educandos, baseados na farta e inédita interatividade viabilizada pelas tecnologias digitais, no imprescindível estímulo individual ao aprender a aprender e, especialmente, na preparação desses educandos para resolver problemas.

Nesta abordagem baseada no estímulo ao aprender a aprender e na solução de problemas, como procedimento padrão, os educadores expõem casos e os educandos, tanto individualmente como especialmente em equipes, identificam e aprofundam os temas, investigam, discutem, interpretam, predizem e constroem possíveis soluções. Este processo se desenvolve via um ensino integrado e integrador, tanto de conteúdos como das distintas áreas de conhecimento envolvidas.

Neste novo contexto, surgem e ressurgem figuras educacionais que visem a propiciar maior eficiência e eficácia às metodologias associadas, bem como às tecnologias inovadoras incorporadas. A mais interessante delas é a possibilidade de uma releitura indispensável do papel inovador do tradicional professor preceptor, lembrando que um conceito não tem necessariamente um único significado definitivo e permanente, mas sim ele é construído por suas relações com os fatos, continuamente ao longo dos tempos.

Classicamente, o preceptor é aquele dá preceitos ou instruções, genericamente confundido com o educador, o mentor ou o instrutor. Especificamente, onde esta figura mais se consolidou até aqui foi na área da saúde, como o responsável por conduzir e supervisionar, por meio de orientação e acompanhamento, o desenvolvimento de médicos residentes e demais profissionais nas especialidades de um hospital. Anteriormente, nos internatos ou mesmo em ambientes domésticos, cabia à figura de um preceptor acompanhar genericamente a educação de uma criança ou de um jovem, preparando para a inserção e socialização desses educandos na vida adulta. Tanto em uma situação como na outra, o preceptor é, essencialmente, um profissional experiente apto a auxiliar na formação integral de seus aprendizes, preparando-os para os desafios do futuro.

Na sociedade contemporânea, onde a informação está totalmente disponibilizada e instantânea e gratuitamente acessível, se consolida a percepção de que todos aprendem e que todos aprendem sempre ao longo de toda vida. Principalmente, fica evidente que cada um aprende em seu próprio ritmo e de maneira própria e única. Assim, fazendo uso de pedagogias apropriadas e de tecnologias inovadoras, temos como, pela primeira vez, conjugar qualidade com quantidade e escala com especificidade. Ou seja, é factível, mesmo em atendimentos de grande massa, propiciar percursos acadêmicos totalmente personalizados, ajustáveis e adaptados a cada educando.

Neste contexto, ressurge o profissional professor preceptor, numa combinação muito interessante dos dois papéis anteriores, tanto como o educador capaz de conjugar teoria e prática, num particular campo de estágio que prepara o futuro profissional, como do orientador de estudos integrados a educandos que aprimoram continuamente suas capacidades de aprender a aprender e, assim procedendo, progressivamente se emancipam.

A construção de uma educação híbrida e flexível, que incorpore os atributos inerentes da educação presencial às possibilidades ilimitadas da educação a distância, demanda a participação estratégica do professor preceptor, contextualizada especificamente para cada etapa do processo formativo, visando a preparação do futuro profissional e cidadão. Conjugar o atendimento personalizado dos educandos via preceptores, especialmente designados para cada um dos momentos dos respectivos percursos educacionais, com o objetivo de emancipação progressiva de todos via o estímulo ao aprender a aprender, é talvez a peça estratégica mais importante das metodologias ativas que pretendam ter plena correspondência com as demandas educacionais contemporâneas.

Autor: Tags:

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia | 15:37

Aprender a aprender é mais do que aprender

Compartilhe: Twitter

O ensino tradicional tem como foco central ensinar conteúdos, técnicas e procedimentos. O fruto direto do processo, ou seja, o que se aprendeu é, em geral, considerado mais importante do que o processo em si.

Tal modelo funcionou porque era harmônico com o mundo do trabalho correspondente no qual foi aplicado – ambientes baseados nos modelos de produção fordistas e tayloristas – e coerente com as correspondentes demandas por especialistas com memória apurada aplicada em atividades bem configuradas. Tudo isso em pleno acordo com o contexto geral dos últimos séculos, em especial com o século XX.

Esta solução educacional funcionou tão bem e por tanto tempo que aquilo que era uma metodologia entre várias quase virou sinônimo de método educacional, como se fora único e indiscutível. Desta forma, persistindo como dominante no cenário do processo de aprendizagem até hoje e, quando muito, permitindo variações sobre o mesmo tema, sem alterar sua essência.

Ao privilegiar o conteúdo aprendido sobre a consciência e o amadurecimento do hábito de aprender, predominou a ênfase na cognição, a qual está associada ao ato de conhecer, incluindo os estados mentais associados e os processos do pensamento relacionados à aquisição de conhecimentos. A cognição, com ênfase no saber algo, envolve múltiplos fatores como linguagem, percepção, memória, lógica, raciocínio e outros elementos importantes do desenvolvimento intelectual.

As tecnologias inovadoras, especialmente as tecnologias digitais, fizeram brotar uma sociedade contemporânea bastante distinta daquelas que vivenciamos antes. Pela primeira vez exploramos a oportunidade de termos informação plena e total, instantaneamente e gratuitamente acessível. Um dos reflexos decorrentes desta revolução diz respeito ao fato de que cognição perde sua centralidade, abrindo espaço, em termos de relevância, para um conceito mais amplo, a metacognição.

Metacognição, etimologicamente, significa “para além da cognição”, ou seja, a faculdade de conhecer o próprio ato de conhecer, associado à consciência dos atores envolvidos no processo de aprendizagem acerca de como se aprende ou como se ensina. O conceito de metacognição está relacionado ao ato de pensar sobre o próprio pensamento, onde a reflexão e a autoconsciência sobre a maneira como se aprende tornam-se, progressivamente, mais importantes do que o próprio ato de aprender em si.

Assim, mais importante do que aquilo que se aprendeu é se, ao longo do processo de aprendizagem, ao educando foi possível adquirir mais clareza acerca de como ele aprende, aumentando o seu nível de consciência sobre os mecanismos segundo os quais o processo pessoal ou coletivo de aprendizagem se desenvolve.

Neste novo contexto, o complexo aprender a aprender passa a ser mais relevante do que o simples aprender. O simples aprender tem tudo a ver com um mundo em que o período escolar estava circunscrito a um período limitado da vida. Em tempos passados, os profissionais, uma vez graduados, estavam prontos para suas missões e demandas futuras e, via de regra, sobreviviam de forma satisfatória no mundo do trabalho. O sofisticado aprender a aprender estabelece compatibilidade com educação ao longo da vida, com o conceito de  educação contínua e permanente.

Em suma, a cognição se preocupa quase que exclusivamente com constatar se o aluno aprendeu ou não (sabe ou não sabe); a metacognição inclui, com igual peso, o quanto o educando e o educador percebem a forma e os mecanismos com que eles próprios aprendem e ensinam (preparação ao saber resolver, portanto). Neste sentido, a cognição, associada ao aprender, atende ao passado e a metacognição, associada ao aprender a aprender, contempla o futuro.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 7
  3. 8
  4. 9
  5. 10
  6. 11
  7. Última