Publicidade

Arquivo de julho, 2018

sábado, 28 de julho de 2018 aprendizagem, Inovação e Educação | 22:18

Meritocracia e os alpinistas

Compartilhe: Twitter

alpinists

 

 

A palavra meritocracia vem do latim meritum, significando “mérito”, unida ao sufixo grego cracia, que quer dizer “poder”. Portanto, o significado literal de meritocracia é “poder do mérito”. Assim, há várias definições de meritocracia, sendo a mais geral entendê-la como um sistema ou modelo de hierarquização e premiação baseado nos méritos pessoais de cada indivíduo. Deste ponto de vista, o processo de alavancagem profissional e social seria uma consequência dos méritos personalizados, ou seja, dos seus próprios talentos e esforços.

 

Alpinista, por sua vez, é o nome dado àquele que exerce o alpinismo, atividade desportiva de alta montanha, em geral acima de 2.500 m, o que exige boa condição física, preparação específica e equipamentos adequados. Para montanhas mais altas, faz-se necessário para atingir o cume cumprir etapas ao longo da caminhada, denominadas bases. Geralmente, essas bases são utilizadas para a recuperação do corpo durante a noite.

 

Em certo amanhecer, já numa base em direção ao topo, tendo já sido cumpridas várias etapas anteriores, dois alpinistas acordam em barracas adjacentes e compartilham, antes de enfrentarem as progressivas dificuldades do dia, os primeiros raios de sol da manhã. Um deles, um homem bastante forte e, a outra, uma mulher preparada, ainda que, naturalmente, sem a mesma força do primeiro. Ele vira-se para ela e comenta: “Bom dia, colega alpinista, vejo com enorme felicidade estarmos juntos nesta etapa, mostrando como é possível sermos iguais”. Complementando com: “Mais ainda quando sabemos que você, moradora dos vales mais baixos, teve mais dificuldades do que eu que, além de mais forte, habito um lugarejo mais alto, já nas montanhas, e, portanto, mais acostumado às alturas. Mesmo assim, em que pesem nossas diferenças, hoje somos iguais”.

 

Ao que ela se vira para ele e, no mesmo tom, diz: “Bom dia, caro colega alpinista. Prazer enorme estarmos hoje no mesmo ponto desta longa caminhada, porém, permita-me afirmar que somos tudo, menos iguais”. Adendando: “Embora momentaneamente juntos, entendo que aquele, entre nós dois, que percorreu os caminhos mais difíceis, enfrentou mais obstáculos e aprendeu com as superações, seguramente, está mais preparado para atingir o cume e o fará, por certo, melhor e antes”. Assim falando, saem os dois, fraternalmente, em direção ao cume da montanha.

 

Se visto o alpinismo, bem como a vida, na forma de ilustrações para entender a meritocracia, podemos, alternativamente, enxergá-los como corridas de obstáculos, onde se colocam à prova as capacidades, os talentos e dedicações. Pressupõe, portanto, que medir meritocracia implica que todos os competidores tenham saído de uma mesma linha de partida, enfrentado obstáculos semelhantes sob condições de tempo e de preparação iguais.

 

Mesmo assim, a ênfase desta particular metáfora não é, principalmente, ressaltar a necessidade da desejável identidade plena de condições e de possibilidades a todos os participantes em qualquer processo. O destaque, neste caso, é acerca da importância de contemplar nas mensurações de meritocracia a capacidade específica exibida por aqueles que cruzaram por mais problemas, saíram ilesos de mais armadilhas e, fruto de suas competências, talentos e esforços, estão diferenciadamente talhados a seguir em frente. Desta forma, relativamente mais confiantes de si e aptos a cumprirem, com máxima dignidade, suas respectivas missões, sejam elas quais forem.

 

————–

Imagem em Domínio Público, como vista em: https://free-images.com/or/cda6/high_speed_glacier_alpinists.jpg

Autor: Tags:

sexta-feira, 20 de julho de 2018 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior | 08:18

Educação: mais recursos versus melhor gestão

Compartilhe: Twitter

capitalismo-c3a9-a-explorac3a7c3a3o-do-trabalhador

 

 

O relatório “Aspectos Fiscais da Educação no Brasil”, divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda no último dia 06 de julho, aborda tema pertinente e estratégico para o país. O investimento brasileiro em educação, da ordem de 6% do Produto Interno Bruto (PIB), é comparado com a média de investimentos de 5,5% do PIB dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 

A iniciativa é meritória e os números são precisos; mesmo assim, corre-se o risco de tentar justificar investir menos em educação porque a gestão precisa ser melhorada. Tal raciocínio é tão inadequado como desprezar inadiáveis melhorias de gestão antes que sejam assegurados mais recursos para a área. Mais investimentos, aprimoramentos na gestão e corretas definições de prioridades são missões urgentes e precisam ser realizadas de forma simultânea e sincrônica. Em educação, restringir recursos é mortal, porque asfixia definitivamente, e ser desleixado com a implementação imediata de padrões de eficiência e eficácia são, igualmente, crimes de lesa-pátria.

 

O papel essencial dos processos de aprendizagem é emancipar o educando, preparando-o para a vida, em todas as suas dimensões. Uma das funções estratégicas da educação é garantir força de trabalho qualificada, tal que os produtos e serviços de um país possam ser competitivos globalmente. Dispor de uma geração educada garante ambientes domésticos que favorecem o processo de aprendizagem da próxima.  Nações com carências educacionais maiores, como é o caso do Brasil, demandarão, naturalmente, mais investimentos do que a média de seus principais competidores. Assim, em um cenário onde a população adulta é educacionalmente frágil, o Estado se sobrecarrega em sua tarefa de garantir condições adequadas aos mais jovens.

 

O relatório destaca que da despesa primária da União com educação (R$ 117,2 bilhões em 2017) quase 70% é destinado ao ensino superior e o restante à educação básica. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB), Lei 9394/96, estabelece que a educação básica é prioritariamente responsabilidade de Estados e Municípios, em regime de colaboração, e com assistência da União. Define também que a União incumbir-se-á dos processos regulatórios das instituições de educação superior e o estabelecimento do seu sistema de ensino. Assim, na prática, o aumento da proporção na arrecadação da União dos investimentos em educação de 4,7% para 8,3% entre 2008 e 2017, embora tenham impactado positivamente a educação básica, migraram principalmente para a manutenção do ensino superior. Infelizmente, o crescimento dos investimentos da União em relação ao PIB neste período, de 1,1% para 1,8%, não foi acompanhado na mesma proporção pelos Estados e Municípios.

 

O drama nacional é que, embora tenhamos registrado significativos avanços quanto à oferta de vagas em todos os níveis de ensino, permanecemos com deficiências extremas e ocupamos as últimas posições nas avaliações internacionais. A título de exemplo, no Pisa (Programme for International Student Assesment), promovido pela OCDE e dirigido a jovens na faixa dos 15 anos, estamos, entre 70 países participantes, na 63ª posição em ciências, 59ª em leitura e 66ª em matemática. São, de fato, resultados alarmantes e inaceitáveis para um país com o potencial que o Brasil tem e que precisa promover imediatamente um desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável.

 

O relatório, ainda que pertinente em sua temática, demonstra um preocupante viés ao estabelecer enquanto principal desafio o aprimoramento da gestão nos processos educacionais. O risco evidente é findar sendo mais uma explicação para cortes de investimento e menos reflexões em direção a uma visão sistêmica que vise a conjugar esforços de mais recursos acompanhados de melhorias nos processos de gestão. Em suma, investir mais e melhor é decifrar o falso dilema entre dois aspectos que não se contrapõem. Ao contrário, são interdependentes, complementares e caminhos essenciais para que tenhamos alguma perspectiva de futuro enquanto nação.

 

———————-

 

Figura disponível em: https://dcvitti.com/2018/07/06/o-que-a-biblia-diz-sobre-o-capitalismo/

 

 

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 9 de julho de 2018 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 11:20

Vantagens de trabalhar com educação

Compartilhe: Twitter

educação

 

 

Toda forma de trabalho é válida. Qualquer trabalho honesto é nobre. Mesmo assim, nem todos os ofícios são iguais; algumas tarefas parecem ser mais prazerosas e positivamente diferenciadas. Entre os trabalhos distintos, destaco educação.

 

Nada há de errado em vender produtos e serviços. Mesmo assim, se vendo alimentos, por exemplo, eles podem fazer bem ou mal. Se ingeridos em quantidade excessiva, podem engordar e prejudicar a saúde. Se meu negócio é vender automóveis, ainda que uns sejam melhores do que outros, todos, em algum nível, poluem e geram congestionamentos, além de causarem prejuízos, às vezes fatais, em casos de acidentes. A atividade no mercado financeiro, emprestando dinheiro e garantindo créditos, busca resolver problemas e promover o desenvolvimento. Ela pode dar certo e ser útil, mas pode dar errado e findar sendo catastrófico. Em certas situações só agrava a dificuldade inicial do cliente, transformando pagar o próprio empréstimo no grande drama do futuro.

 

Há inúmeros outros exemplos de produtos e serviços que se caracterizam por terem mais valor quanto mais raros e exclusivos forem, em geral, vendendo a exclusão dos demais. Por sua vez, educação é um dos poucos serviços (saúde é outro) onde mesmo quem não o adquire ganha também. Quem dela desfruta jamais viverá a circunstância de tê-la em demasia, mesmo porque chamar alguém de excessivamente educado é um elogio. O convívio em um ambiente onde todos tiveram acesso à educação não gera poluição de conhecimento ou acidentes. Até mesmo alguém que despreze educação será um privilegiado se puder desfrutar das oportunidades geradas por uma comunidade que valoriza e estimula educação.

 

O papel essencial dos processos de aprendizagem é emancipar o educando, preparando-o para a vida, em todas as suas dimensões. Uma das funções estratégicas da educação é garantir força de trabalho qualificada, tal que os produtos e serviços gerados possam ser competitivos, promovendo um desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável.

 

No ofício docente não cabe ao professor distribuir um montante limitado de conhecimento aos seus educandos. Ensinar a um não tira de quem ensina e é ilimitado a quem aprende, sejam os aprendizes quantos forem. Quando um aprende, os demais também ganham, especialmente quem ensinou, que aprende a ensinar cada vez melhor. Aprender mais não retira do que já se sabe ou de quem já sabe.

 

Educação no mundo atual, diferentemente do passado próximo, é a principal ferramenta em qualquer circunstância. Esqueça das armas, pense no conhecimento como sendo o mais efetivo instrumento de sobrevivência nas guerras contemporâneas. O único risco da educação é a sua ausência ou deficiência, ou seja, não dispor de escolaridade suficiente é caminho quase inevitável para o sofrimento e a pobreza, material e espiritual.

 

Uma pessoa educada, pelos seus comportamentos, hábitos e posturas ganha imediato respeito de todos, em qualquer lugar e sempre. Dinheiro, fama e poder também geram sentimentos parecidos, mas não iguais, dado serem circunstanciais e não perenes, além de não necessariamente sinceros.

 

No passado, ser da família com posses determinava automaticamente o futuro dos filhos. Hoje, os melhores empregos e oportunidades de negócios estão abertos a quem estuda e aprende, adquirindo conhecimento ao longo de toda a vida, seja rico ou seja pobre. E quanto mais se estuda, mais amplas as possibilidades de sucesso, de forma abrangente e ilimitada.

 

Por fim, e não menos importante: educação faz amigos. Os mais sinceros e duradouros relacionamentos são lastreados pela admiração por quem o outro é. Ainda que dinheiro e beleza pareçam concorrer no mesmo sentido, lembremo-nos que ambos são bem menos perenes do que o conhecimento adquirido e naquilo que nos transformamos em função dele. Refletindo o apreço pela educação, nada mais charmoso e atraente do que a inteligência.

 

Autor: Tags: , ,