Publicidade

Arquivo de maio, 2018

domingo, 27 de maio de 2018 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 16:58

O eixo do tempo na educação

Compartilhe: Twitter

428F3A37-9AC3-4D89-9595-7779B6543590

A seta do tempo é ainda um mistério para a ciência. As equações fundamentais da natureza são reversíveis, possibilitando irmos para frente ou para trás, sem ofendê-las. No mundo real, os processos se desenvolvem no sentido do passado para o futuro. Tal anisotropia temporal está ligada ao grau de desorganização do sistema, quantificada na termodinâmica por uma propriedade denominada entropia. Ao longo do eixo do tempo, a entropia média sempre aumenta.
Quanto à nossa percepção, vista do ponto de vista do tempo presente, é natural que observemos, contemporaneamente, marcas remanescentes de um passado, que insiste em não ir embora, convivendo com elementos de um futuro que ainda não chegou completamente.

 

Recentemente, estive participando de um evento na Espanha, celebrando os 800 anos da Universidade de Salamanca, que é uma das mais antigas universidades do mundo e referência de destaque na formação do pensamento ibero-americano. Restam poucas dúvidas que a instituição comemorará, daqui a dois séculos, o seu milênio com os mesmos louros e méritos de ser guardiã permanente das tradições e dos valores mais caros da comunidade acadêmica. No entanto, ela não está imune aos desafios dos tempos atuais, onde mudanças abruptas e radicais, inéditas em sua profundidade e na rapidez com que ocorrem, produzem impactos significativos em como ensinamos e promovem o surgimento de múltiplas formas surpreendentes de aprendizagem.

 

Tive a oportunidade de assistir naquela instituição quase milenar a uma mesa-redonda com seis educadores seniores apresentando suas visões quanto ao emergente mundo digital. Seus slides, em geral, com letras miúdas, reproduzindo quase literalmente os textos lidos, ilustram em termos de meios as mensagens proferidas. Salvo exceções, eram bem-intencionados analógicos tratando do inusitado digital. Por mais que percebessem as alterações em curso no presente, suas abordagens, naturalmente, expressavam, na forma e no conteúdo, seus conceitos enraizados em referências do passado. Respeitáveis valores e tradições que tornam difícil enxergar, com clareza, todos os elementos do futuro que já se começou. São olhares honestos e competentes que priorizam tentar reorganizar o passado e o presente mutantes, os quais insistem em não nos deixar.

 

É ilusão imaginar que as abordagens educacionais comumente adotadas para formar profissionais até recentemente permaneçam válidas, sendo suficientes pequenos ajustes acrescidos da incorporação de algumas tecnologias. Muito além do domínio simples de conteúdos circunscritos em programas fixos e transcendendo as séries previsíveis de técnicas e procedimentos, o desafio agora é preparar ao desconhecido, envolvendo, especialmente, habilidades e aspectos comportamentais não previstos antes.

 

Vivemos ou, gradativamente, passaremos a viver em uma realidade onde a informação estará totalmente acessível, instantaneamente disponibilizada e, basicamente, gratuita. Cada vez é menos relevante o que se aprendeu frente a ter explorado as possibilidades de ampliar a capacidade de aprender continuamente, ao longo da vida, o aprender a aprender. A cognição tradicional e suas diversas metodologias associadas dão espaço às abordagens metacognitivas, onde o centro é ampliar os níveis de consciência dos próprios educandos acerca de como eles aprendem. Dos debates acercas de pedagogias adotadas para todos, indistintamente, enfrentamos a complexa tarefa da construção de uma educação híbrida e flexível, onde todos os educandos aprendem, aprendem o tempo todo e cada um de maneira única e personalizada.

 

Os educadores, legitimamente, se expressam a partir dos seus referenciais, ancorados em suas tradições e refletindo suas experiências. É certamente tarefa difícil entender a migração de uma avaliação baseada na dicotomia entre o saber versus o não saber à luz de uma realidade emergente onde o mais relevante é saber decifrar realidades complexas, solucionar problemas e cumprir missões. Para quem tem valores cristalizados quanto a mensurar o conhecimento aprendido não é nada simples descobrir que passam a ser considerados, com pesos iguais ou mesmo preponderantes, atributos adicionais como saber trabalhar em equipe ou capacidade de compreender o outro.

 

A dificuldade essencial está na encruzilhada de tentar entender o presente com os mesmos instrumentos do passado ou ousar pensar o futuro com menos amarras tradicionais, as quais, embora importantes, tendem a eclipsar a visibilidade do que está por vir. Estacionados no presente do eixo do tempo, há que se escolher priorizar enxergar aquilo que os faróis iluminam à frente ou, alternativamente, manter os olhos fixos no retrovisor.

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 3 de maio de 2018 Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 07:21

“O segredo da verdade: não existem fatos, só existem histórias”

Compartilhe: Twitter

ubaldo

 

 

O título acima é inspirado na epígrafe da obra “Viva o Povo Brasileiro” de João Ubaldo Ribeiro, publicada em 1984. O livro fez jus ao Prêmio Jabuti de Melhor Romance e representa uma importante referência em termos de literatura brasileira de ficção. Com muita imaginação, o autor mistura fatos com suas próprias criações, cumprindo ao final o propósito de narrar, à sua maneira, quatro séculos de história da Bahia.

 

A essência do citado texto é evidenciar, desde o início, a ousadia que é tentar, com palavras, descrever com exatidão os fatos ocorridos. É ilusão imaginar que textos reproduzam plenamente as histórias, as quais as letras somente ousam tentar descrever. Não se trata, portanto, de desonestidade ou incompetência de quem relata, mas sim reflete a inexorável fragilidade dos instrumentos disponíveis.

 

As palavras, bem como as artes plásticas, a música ou as demais artes não têm, felizmente, o compromisso de fidelidade a priori, sendo desejáveis espaços de imaginação e criatividade, muitas vezes calcados em fantasias e transgressões. Feitas essas observações, quando o mundo das artes se superpõe às áreas das ciências, da política, do direito e da moral, ocorrem regiões sombreadas que podem exigir que limites sejam estabelecidos. A principal motivação é que liberdades poéticas, em geral, e notícias falsas ou relatos mentirosos, especialmente nos debates cotidianos, não se enquadram nos mesmos pressupostos, ainda que possam habitar os mesmos espaços e tempos.

 

A complexidade do tema é tão grave que o conceito de realidade, cientificamente, tem dinâmicas e peculiaridades próprias, envolvendo dificuldades em separar o observador da coisa observada. As sofisticadas análises incluem questionamentos legítimos sobre a isenção dos instrumentos de medida e a neutralidade das linguagens adotadas para “pretensamente” descrever com “exatidão” os fenômenos.

 

Em educação, não existem antídotos simples, preventivo às malícias das falsas notícias. Mas, certamente, há metodologias e abordagens que estimulam a capacidade de leitura crítica de textos complexos, fazendo intenso uso de raciocínios científicos e exercícios de lógica, e que contribuem para propiciar uma visão mais clara da realidade ao redor.

 

O que já era em si complicado, na sociedade contemporânea, é agravado pelo fato de que todas as informações passam a ser instantâneas, dificultando qualquer possibilidade de contestação em tempo hábil antes que elas já tenham se espalhado, mesmo que sem a solidez ou o atendimento a critérios de falseabilidade que seriam recomendáveis.

 

As chamadas “fake news”, em sua versão mais recente, estão assentadas nas facilidades das tecnologias digitais. É desafiador imaginarmos mecanismos que possam impor limites ou culpabilidade às falsidades e mentiras, propositalmente espalhadas, as quais, muitas vezes, ofendem a verdade, causam danos às reputações de pessoas ou grupos, ou atentam contra a lógica e o bom senso.

 

Enfim, as “histórias” que se superpõem aos “fatos” na criativa epígrafe de João Ubaldo foram, de fato, premonições dos riscos das perversidades embutidas nas evidências de que, a partir dos mesmos fatos, múltiplas e distintas histórias podem ser contadas.

 

 

 

Autor: Tags: , ,