Publicidade

domingo, 4 de fevereiro de 2018 Sem categoria | 20:27

Pedido Póstumo

Compartilhe: Twitter

RMcarlos-drummond-de-andrade-na-praia-de-copacabana-no-rio-de-janeiro RMEstatuaDorivalCaymmi1 (1) rmcanoa

Caros viventes cariocas, sei bem que dita a boa educação que recebamos as eventuais homenagens sem contestar e de bom grado, sempre. Dizem que eu teria dito em vida: “a cavalo dado não se olha os dentes”. Bobagem, jamais disse isso e o linguajar difere do meu. Além de suspeitar ser uma tradução liberal do inglês: “never look a gift horse in the mouth”, literalmente, algo como: “nunca olhe a boca de um cavalo ganho de presente”.

 

Alguém, bem-intencionado, em 2002, quis celebrar meu centenário de nascimento colocando uma estátua de bronze de 150 quilos no Posto 6 em Copacabana. A escolha do local não poderia ser mais apropriada. Morei na Conselheiro Lafaiete, 60. Para ir para a Avenida Atlântica costumava caminhar, por vezes, pela Júlio de Castilhos, outras, pela Rainha Elizabeth. A estátua ficou entre as duas ruas, perfeito.  Só elogios e nada a reclamar, demonstrando meu apreço pela cidade e minha permanente tendência à transigência.

 

Mas, indo direto ao ponto da reclamação: sou mineiro, de Itabira para quem não sabe. Mineiro adora mar, e disso todos estão cientes. O escultor da obra, Leo Santana, meu conterrâneo, é igualmente louco pelo mar. É verdade que a ele deram uma foto de Rogério Reis, a qual, pelos idos do início da década de 1980 saiu na revista Veja. Mas, convenhamos, eu escrevi: “No mar estava escrita uma cidade”, consequentemente, o foco é o mar e a cidade o acidente. Se pensasse diferente, teria escrito: “Na cidade estava escrito o mar”. Além de sem sentido, o centro seria a cidade, portanto…

 

Então, pergunto de forma direta e objetiva: por que diabos me puseram de costas para o mar? E, pior, na forma de estátua, a qual, por definição, assim permanece, para sempre. Meu vizinho (uma quadra adiante, em direção ao Forte), Dorival Caymmi, com quem converso muito por aqui, está plenamente satisfeito com a estátua dele. Baiano não é assim tão obsessivo pelo mar e ele tem, particularmente, homenageado aquele muitas vezes. No caso, se há dívida, é do mar com o baiano, e não o contrário. Tanto que ele chega a estar cansado. Já é um esforço danado, além de carregar seu instrumento, estar sempre feliz e de braços abertos.

 

Voltemos ao meu pleito. Hoje, ao contrário dos saudosistas que aqui chegam do Rio, acho o Posto 6 mais interessante do que antes. Preservaram a Colônia e o Forte, que eu tanto apreciei, e temos agora stand-up paddle, grupos animados de natação, frescobol e as fantásticas canoas havaianas, que fariam os polinésios morrer de inveja do Rio. Mas, convenhamos, de onde estou, de costas, vejo tudo somente de soslaio…

 

Em suma, a quem receber esta mensagem póstuma, ainda que viva, peço que considerem virar minha estátua para o mar. Esqueçam aquela foto, ela diz respeito a hábitos do passado, tão somente. Eu agora pretendo ficar de frente, mirando o mar, no qual estava escrita uma cidade.

 

                                                                                                                C. D. de Andrade (by R. Mota)

 

Autor: Tags: