Publicidade

quinta-feira, 17 de agosto de 2017 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 16:42

O conteúdo, um álibi perfeito

Compartilhe: Twitter

alibi3

 

Nas culturas primitivas, onde não havia ensinamentos formais ou escolas, todas as atividades poderiam ser vistas como processos de aprendizagem e de transmissão de cultura. À medida que as sociedades foram se tornando mais complexas, os conhecimentos a serem repassados de uma geração para outra se organizaram de forma sistemática em áreas do saber. Estas foram, progressivamente, ficando mais sofisticadas, exigindo da educação formal um nível diferenciado de institucionalização, envolvendo modelos de organização próprios com a presença de atores bem definidos.

 

As crianças e os jovens, como alunos, passaram, gradativamente, a ter acesso a uma educação que lhes permitia, via a escola e seus mestres, avançarem muito além da simples observação e da imitação genérica de adultos. No mundo ocidental, costuma-se adotar como paradigmas originais da instituição “escola” a Academia de Platão e o Liceu de Aristóteles, instituições inauguradas no século IV a.C. em Atenas na Grécia Antiga.

 

Ao longo dos tempos, a transmissão de conhecimento para públicos cada vez maiores, progressivamente, mostrou-se mais adequada ser desenvolvida sob a forma de áreas do saber. Assim, a preparação de alunos via abordagens cognitivas, baseadas em conteúdos, e as metodologias educacionais associadas desfrutaram de enorme sucesso, em especial pela capacidade do atendimento pleno da formação de profissionais para a Revolução Industrial, nos séculos XIX e XX. O essencial era o domínio de um determinado conteúdo, acoplado a um conjunto de técnicas e procedimentos razoavelmente bem definidos.

 

O mundo contemporâneo evidencia grandes contrastes com o passado recente, em especial pela onipresença das tecnologias digitais, as quais inundam todos os setores, mudando hábitos e comportamentos e contribuindo com a redefinição de culturas. Muito mais do que uma era de mudanças, vivenciamos uma mudança de era. Novos modelos de desenvolvimentos econômicos, sociais e ambientais estão sendo discutidos e implementados, demandando cidadãos com características bastante diversas do século anterior.

 

Dos profissionais do futuro, tanto quanto o domínio de conteúdos específicos, serão exigidos, cada vez mais, o destemor de enfrentar desafios inéditos, as habilidades socioemocionais acopladas, a competência para trabalhar em equipe e, principalmente, a capacidade de completar, com sucesso, missões complexas. Tudo isso à luz do acesso ilimitado, instantâneo e gratuito a todo o conhecimento disponível.

 

Do ponto de vista das metodologias educacionais, os maiores desafios contemporâneos estão associados à adequada incorporação das tecnologias digitais e a adoção de arquiteturas curriculares e percursos formativos que contemplem as habilidades com a mesma atenção que o conteúdo desfruta, garantindo uma educação compatível com a realidade atual na qual todos aprendem, aprendem o tempo todo e cada um à sua maneira.

 

Tais tarefas incluem o uso adequado de plataformas de aprendizagem e técnicas de analítica da aprendizagem, as quais, em conjunto com a edugenômica, permitem conhecer o educando de forma inédita. Assim, torna-se possível estabelecermos os marcos de uma educação flexível e personalizada, customizada à luz da realidade específica e apropriada para cada educando e seus propósitos.

 

Neste contexto, é preponderante o papel que a metacognição, que transcende a cognição, passa a ter. A ênfase na metacognição permite ir além do conteúdo e sua assimilação, evidenciando ser igualmente importante um conjunto de habilidades socioemocionais e a reflexão, por parte do estudante, sobre a sua própria aprendizagem.

 

As metodologias educacionais especialmente preocupadas com a metacognição não dispensam o conteúdo, nem o desprezam. Ele era, é e sempre será importante, sendo que quanto mais profundo melhor. Mas, por vezes, o conteúdo pode ser visto também como uma espécie de álibi perfeito. Ou seja, tão relevante quanto o que foi aprendido (o conteúdo) é garantir que o educando tenha ampliada sua consciência acerca de como ele aprende (a arte do aprender a aprender), preparando-o para uma educação permanente ao longo da vida.

 

 

—————————————-

A figura é o do filme “Um álibi perfeito / Reasonable Doubt”, de Peter Howitt, Canadá-Alemanha, 2014. Ver mais em:

Um Álibi Perfeito / Reasonable Doubt

 

Autor: Tags: