Publicidade

Arquivo de julho, 2016

sexta-feira, 29 de julho de 2016 aprendizagem, EaD, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 08:42

Educação em tempos de ‘Pokémon Go’

Compartilhe: Twitter

pokemon-1521104_960_720-DigiPD-CC0-Public-Domain-760-430

O aplicativo ‘Pokémon Go’ lançado há poucas semanas nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia já é o jogo mais baixado da história da internet. Ele marca, simbolicamente, o ingresso definitivo em um contexto inédito de utilização em grande escala de simulações, realidade aumentada e inteligência artificial.

 

Alguns podem entendê-lo simplesmente como um jogo de sucesso e não estarão errados, mas certamente não terão capturado a real dimensão em termos de impactos associados em todas as demais áreas. Por exemplo, as consequências educacionais do uso intensivo de realidade aumentada e de inteligência artificial são ainda preliminares, mas serão profundas e duradouras. Um novo capítulo será aberto quanto à preparação de profissionais para atuarem neste novo mercado, fruto de mudanças em grande escala nos modelos de negócios e de gestão.

 

Embora parte desses recursos e ferramentas já estejam disponíveis há décadas, seu uso intensivo ainda está no seu início. Os especialistas calculam que estamos falando de um mercado de centenas de bilhões de dólares anuais. Em suma, daquilo que hoje é eventual e incipiente, migraremos muito rapidamente para usos generalizados e abrangentes. No campo educacional, cabe um destaque especial às possibilidades decorrentes do uso ilimitado dessas tecnologias digitais, incluindo a impressora tridimensional, integrando informações virtuais a visualizações do mundo real, confundindo ambas e gerando múltiplas e inimagináveis possibilidades.

 

O mundo ocidental vivenciou algo similar há aproximadamente dois séculos atrás com o início da Revolução Industrial, especialmente com a invenção de máquinas motorizadas e com o desenvolvimento da tecnologia de geração de energia elétrica. Como consequência, tivemos a migração progressiva da população do campo para a cidade e a transformação do trabalho individual ou familiar na agricultura para o estilo fordista/taylorista de grandes massas nos ambientes das fábricas. Na verdade, aquele foi o capítulo preliminar das transformações em etapas do trabalho humano, inicialmente mediado por máquinas, depois plenamente substituído por elas e, atualmente, interagindo com máquinas que aprendem.

 

No período que começou no século XIX e perdurou ao longo do século XX, o trabalho braçal, pouco especializado e não dependente de instrução escolar específica, gradativamente perdeu espaço para a exigência de profissionais mais especializados, preparados via um ensino compatível com tais necessidades. O modelo industrial clássico e os serviços associados moldaram a escola e as metodologias educacionais do século XX. De forma análoga, adentrar uma sociedade com alto nível de automação, agora conjugada a máquinas que aprendem, e onde a informação está totalmente acessível, instantaneamente disponibilizada e gratuita impõe mudanças profundas no que educar passa a significar.

 

Nos séculos XIX e XX, ensinar estava basicamente associado a transmitir informações, técnicas e procedimentos compatíveis com as demandas do mundo do trabalho contemporâneo àquela época. Nos tempos atuais, educar passa a significar, principalmente, aquilo que permanece depois que esquecemos o que nos foi ensinado. O aprender a aprender juntamente com saber trabalhar em equipe se mostram nos recentes contextos mais relevantes do que propriamente o conteúdo objeto do ensino.

 

Nestas próximas semanas, quando ‘Pokémon Go’ estará sendo lançado no Brasil, importante percebermos que inteligência artificial e realidade aumentada, em conjunto com metodologias educacionais compatíveis, podem viabilizar um ensino flexível e personalizado, que constituirão as bases de uma educação inovadora em construção.

 

Sobre a figura: http://i2.wp.com/www.jenapolis.de/wp-content/uploads/2016/07/pokemon-1521104_960_720-DigiPD-CC0-Public-Domain-760-430.jpg?resize=760%2C430

Autor: Tags:

quarta-feira, 20 de julho de 2016 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 09:20

Alma existe? Educacionalmente, parece que sim

Compartilhe: Twitter

Cartesian_dualism

Platão foi um dos mais importantes filósofos da Grécia Antiga, tendo fundado, em 387 a.C., a Academia, primeira escola do mundo ocidental. As teorias e concepções platônicas estão diretamente ligadas à sua teoria da alma. No seu livro “República”, Platão concebe o homem como corpo e alma separáveis. Enquanto o corpo, que nada sabe, é mortal e impuro, a alma, que tudo sabe, é pura, imutável e eterna.

 

A ciência, ancorada no método científico, decretou a não existência da alma na falta de evidências e de comprovações objetivas acerca de sua realidade física. No entanto, Michael Graziano, pesquisador da Universidade de Princeton, sugere que o cérebro realiza tentativas de copiar a si próprio, transcendendo os processos mais simples, descritos via neurônios e sinapses, simulando algo que seria uma espécie de consciência, um “fantasma” que coabita o cérebro, ao qual podemos associar o conceito de alma, se considerarmos as funções atribuídas a ela por Platão. Nesta mesma linha, o pesquisador Max Tegmark, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), associa a ideia de alma a um estado especial da matéria, o “perceptorium”, que transcende as suas fases clássicas: sólida, gasosa ou líquida. O “perceptorium” seria o ente responsável e proporcionaria a subjetividade, que viabiliza a existência da consciência, fruto transcendente dos arranjos complexos de átomos e moléculas, semelhante ao que propunha Platão.

 

Como tais pensamentos se relacionam com algumas teorias educacionais contemporâneas? Não há nada direto ou evidente, mas aparentemente tudo se passa como se a alma ou estados transcendentes de consciência estivessem associados ao conceito de metacognição, ou seja, além da cognição. Cognição está relacionada aos processos mentais de aquisição do conhecimento, envolvendo fatores diversos como o pensamento, a linguagem, a percepção, a memória, o raciocínio etc. Curiosamente, a palavra “cognitionem” tem sua origem nos escritos de Platão e Aristóteles.

 

Metacognição se conecta ao aprender a aprender, algo além do aprender e suas etapas clássicas, abrangendo conhecer o próprio ato de aprender, contemplando especialmente os níveis de consciência ativa dos atores envolvidos no processo de aprendizagem. Assim, metacognição está relacionado ao ato de pensar sobre o próprio pensamento, onde a reflexão e a autoconsciência sobre a maneira como se aprende tornam-se, progressivamente, tão importantes como o próprio conhecer. Tão ou mesmo mais importante do que aquilo que se aprendeu é se o educando aumentou, ao longo do processo de aprendizagem, o seu nível de consciência sobre os mecanismos segundo os quais a educação se desenvolve.

 

Se cognição é ensino, metacognição é educação, lembrando as palavras de Albert Einstein: “educação é o que fica depois que esquecemos o que nos foi ensinado”. De forma bastante simplificada, cognição estaria ligada aos processos clássicos do cérebro e a aquisição de conhecimento, envolvendo as camadas de saberes, mediados pelos neurônios e pelas sinapses, enquanto metacognição incluiria algo transcendente que lembraria o conceito da alma ou consciência, contemplando, em complemento, a reflexão sobre o próprio conhecer e as diversas interconexões entre as camadas de saberes.

 

Figura de http://skyvington.blogspot.com.br/search/label/philosophy

Autor: Tags:

terça-feira, 12 de julho de 2016 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 15:54

A revolução dos GIFs

Compartilhe: Twitter

fotogif

 

GIF são as iniciais da expressão em inglês “Graphics Interchange Format”, que se pode traduzir como “formato para intercâmbio de gráficos”. Trata-se de uma estratégia de uso de um específico formato de imagem de mapa de bits muito usado na internet, podendo ser útil tanto para animações como para imagens fixas.

 

Os GIFs são conhecidos há muito tempo, adotando-se 1987 como marco dos primeiros trabalhos. Assim sendo, a prática do uso de GIFs está por completar 30 anos, porém, como num novo despertar, nada parece ser tão promissor, em especial no que diz respeito ao potencial educacional dessa espetacular ferramenta.

 

Uma questão esteve presente na história mais recente acerca da opção de quando fazer uso de GIF ou JPEG (“Joint Photographic Experts Group”), formato este mais adequado em imagens mais complexas e com maior variação de cores. Por sua vez, GIFs parecem ser mais indicados para imagens lisas, permitindo uma compressão e transmissão relativamente mais fácil.

 

Assim, à medida que a internet foi ficando mais rápida e os processos de descompressão foram evoluindo, os GIFs fizeram bom uso de suas características que permitem que sejam produzidas animações ou pequenos clipes, os quais são salvos como imagens, sendo, em geral, mais leves que os vídeos em outros formatos. Ou seja, as imagens salvas em GIF podem ser comprimidas sem perda de qualidade. Como resultado, por serem de tamanhos reduzidos, foi possível estimular a criatividade na exploração da capacidade de abrigar sequências de pixels.

 

Nesta era de forte ressurgimento dos GIFs, além das facilidades tecnológicas de compressão, transmissão e descompressão, gerou-se uma cultura de produzir objetos de aprendizagem espetaculares, facilitando a compreensão e o aprofundamento de temas complexos, sempre em tempos recordes.

 

GIFs educativos são excelentes objetos para introdução rápida de temas difíceis, viabilizando passar informação educativa que pode ser assimilada rapidamente, sem risco de vulgarização ou mesmo de superficialidade. Este é o jogo: qualidade, simplicidade, profundidade e rapidez. Os temas são os mais variados. Arrisco a dizer que não há tema educacional que não tenha objetos GIFs associados disponíveis. Em geral, impressionam pela abordagem, estratégia e eficácia.

 

Ou seja, aquilo que era, em geral, animação para diversão pura, sem deixar de ser e sem perder o bom humor, hoje também se aprende e, especialmente, se ensina. Melhor que falar sobre eles, é poder mostrar. É possível e fácil aprender a fazer seus próprios GIFs, bem como participar de comunidades de GIFs educativos. Portanto, bom proveito e não deixem de ver, a título de exemplos, os links que seguem:

 

 

https://www.facebook.com/groups/1803932899828877/?fref=ts

 

http://www.boredpanda.com/amazing-educational-gifs/

 

http://www.picgifs.com/job-graphics/teacher/

 

http://classroomclipart.com/clipart/Animations.htm

 

http://dir.coolclips.com/Education/Gif_Animations/

 

http://giphy.com/search/educational-resource

 

http://www.abcya.com/animate.htm.

Autor: Tags:

terça-feira, 5 de julho de 2016 Poesia | 09:09

Comemorativo de 1 ano da Coluna: CASA VAZIA

Compartilhe: Twitter

solidao

Para comemorarmos 1 ano desta Coluna, hoje, excepcionalmente, migraremos da prosa para a poesia. Segue:

———————————————————–
CASA VAZIA*

 

Que os morcegos invadam que a casa é sua
que a sombra errante do medo
adentre e tome conta
e a solidão se espalhe
querendo nos fazer companhia.

 

Ingrata se instale
finque fundo no coração o dia-a-dia do não-retorno
e o pulsar do coração a se fazer medidor
sonolento contar dos dias.

 

O ar onírico nos perturbe os olhos
e ao fechá-los nos popule de imagens a mente
da casa que era coberta de alegria
de gente que era gente
como a gente queria que fosse eternamente.

 

Mas a desgraça do tempo andou
e tudo mudou
já chove nas ruas e a água a tudo inunda
mas mesmo assim
lá fora está mais seco do que dentro
da casa nua e crua
que por dentro chora
lacrimeja os que partiram
e inunda de saudades o coração.

 

Casa vazia,
são pedaços de nós dois que se partiram.

———————–

  • Do livro “Encruzilhadas em Contos e Poesia”, de minha autoria (coisa antiga).
Autor: Tags: