Publicidade

segunda-feira, 23 de maio de 2016 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 09:11

Metacognição política brasileira

Compartilhe: Twitter

politica2

Metacognição, etimologicamente, significa “para além da cognição”, ou seja, algo além do aprender e suas etapas clássicas, abrangendo também conhecer o próprio ato de aprender, associado à consciência ativa dos atores envolvidos no processo de aprendizagem. Assim, o conceito de metacognição está relacionado ao ato de pensar sobre o próprio pensamento, onde a reflexão e a autoconsciência sobre a maneira como se aprende tornam-se, progressivamente, tão importantes como o próprio conhecer.

 

Portanto, nesta linha, assume-se que tão ou mesmo mais importante do que aquilo que se aprendeu é se ao educando foi possível adquirir, ao longo do processo de aprendizagem, mais clareza acerca de como ele aprende, aumentando o seu nível de consciência sobre os mecanismos segundo os quais a educação se desenvolve.

 

A situação econômica e social brasileira não é boa e a crise política instaurada é grave, portanto, nem há sequer pílula para dourar. No entanto, não há como enxergar o país somente com o olhar clássico, fotográfico e simples. É possível, complementarmente, perceber o que está embutido, o dinâmico e o complexo. A pergunta a ser feita, talvez a mais relevante, seja se estamos aprendendo ao longo do processo e, principalmente, se estamos entendendo a nós mesmos melhor enquanto atores políticos, aprendizes permanentes do processo. Curiosamente a resposta seria sim, mesmo que olhado dos pontos de vista mais díspares.

 

A crise econômica pode ter muitas explicações, mas fica cada vez mais evidente que todas estão associadas às tarefas não cumpridas antes e à baixa produtividade do trabalhador brasileiro. Esta, por sua vez, correlacionada à baixa escolaridade, entendida aqui enquanto limitadíssimo número de anos de estudo e má qualidade de ensino nos poucos anos frequentados.

 

A questão social, vinculada à crise, remonta a acúmulos que vieram progressivamente se agravando, desde o evidente e perverso contraste social que separa a casa grande da senzala e que, com pequenas oscilações, nunca se alterou na sua essência. Na política, nossa marca maior continua sendo a eterna vocação patrimonialista de confundir o público com o privado, o geral com o particular, findando os interesses coletivos submetidos aos interesses localizados. Esta lógica opera, desde o Brasil Colônia, para grupos e setores econômicos comodamente sempre alojados dentro do poder instituído. Da mesma forma, o mesmo raciocínio é válido para corporações diversas que se fazem representar ao nível do poder, ainda que cultivando um discurso por vezes progressista, e que findam sempre por desculpar privilégios setoriais em detrimento do todo.

 

Pela primeira vez, graças ao mundo das tecnologias digitais, exploramos, enquanto cidadãos e agentes políticos em potencial, a oportunidade de termos informação plena e total para todos, instantaneamente e gratuitamente acessível. Um dos reflexos decorrentes desta revolução diz respeito ao fato de que cognição divide sua centralidade, abrindo espaço, em termos de relevância, para um conceito mais amplo, a metacognição política.

 

Portanto, a cognição, associada a ser informado, de certa forma, atende principalmente ao passado e a metacognição, associada a cada vez mais refletir melhor sobre aquilo que lhe é informado, contempla prioritariamente o futuro. Claramente ainda estamos nos primórdios, mas estamos avançando e podemos fazê-lo com muito mais rapidez. Enquanto a cognição diz respeito, na sua forma mais simples, a constatar se o cidadão aprendeu ou não, a metacognição política inclui, com igual peso, o quanto o indivíduo e o coletivo percebem as formas e os mecanismos com que eles próprios aprendem e atuam, em preparação ao estratégico e improrrogável saber resolver.

Autor: Tags: