Publicidade

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Inovação e Educação | 08:09

Zika e Educação

Compartilhe: Twitter

O vírus zika está ligado aos estudos na formas mais múltiplas e diretas. Ele foi identificado por pesquisadores ao final da década de 40 na floresta Zika, em Uganda. A sua identificação é fruto da ciência, bem como a compreensão de sua ação no corpo humano e as possíveis ferramentas disponíveis para tentar evitá-la. Igualmente, o encaminhamento de possíveis soluções, seja vacina ou outros mecanismos, certamente passarão por mais conhecimento.

No começo do ano passado, casos em humanos foram detectados no nordeste brasileiro e muito rapidamente se espalharam pelo restante da América do Sul, Caribe, América Central e México. Além da transmissão confirmada pelo mosquito aedes aegypti, semana passada o Instituto Oswaldo Cruz detectou a presença do vírus ativo na salina e na urina, portanto, com potencial para causar infecções.

Esse vírus, embora mostre fortes evidências de ser extremamente perigoso, especialmente para grávidas, está, por enquanto, longe de ser o mais perigoso que já lidamos e, por certo, não será o último ou o mais letal. A preocupação maior diz respeito à possibilidade de microcefalia em fetos, podendo causar, sem cura, deficiência mental, limitação na fala, audição e movimentos.

O que se pode garantir é que todas os instrumentos disponíveis de enfrentamento conhecidos até aqui demandam, adicionalmente às ações regulares das autoridades na área da saúde, um envolvimento ativo diferenciado da população. Ou seja, o seu grau de disseminação é de tal natureza generalizado e pulverizado que somente convencendo todas as pessoas a agirem organizada e coletivamente teremos chances de evitar um grande desastre.

Esses pontos, associados ao esclarecimento e atitude da população, remetem ao nível de escolaridade, à qualidade da educação e, no limite, ao processo formativo decorrente das metodologias de aprendizagem comumente adotadas. Epidemias de vírus e bactérias surgirão, quase que inevitavelmente, em todos os países e de forma progressivamente crescente ao longo dos anos vindouros. O que diferenciará as nações e as regiões na efetividade dos embates será a qualidade do exército populacional que as compõem. Quanto mais educação e melhor qualidade de vida, incluindo saneamento básico, menos difícil será enfrentar os surtos, valendo igualmente o inverso.

No Brasil, temos graves deficiências educacionais, expressas pelo baixo nível de escolaridade e pelo fato dos escolarizados serem vítimas de processos de aprendizagem precários, cujas formações resultantes podem representar desvantagens relativas. As ações que são demandadas em momentos como estes exigem processos reflexivos e percepções de processos que, em geral, a educação focada somente em cognição simples fica a desejar, por ser insuficiente. Se cognição está associada ao processo geral de aprendizagem, notadamente transmissão de informação, a metacognição privilegia o avanço dos níveis de consciência do educando acerca dos mecanismos com que aprendemos. Em linhas gerais e de forma reduzida, cognição tem a ver com aprender, metacognição mais associada com aprender a aprender.

Neste particular momento, os atributos que serão exigidos da população em geral estão especialmente, não exclusivamente, ligados ao nível de amadurecimento dos processos metacognitivos. Assim, os fatos de não termos eliminado plenamente a miséria, expressa também pelo analfabetismo, os baixos níveis de escolaridade e as carências das metodologias educacionais adotadas poderão cobrar um preço muito alto. Resta aproveitar a situação para evidenciar as deficiências e transformá-las em ações que, simultaneamente a combater a disseminação do vírus, permitam refletir e agir sobre como temos conduzido nossas políticas educacionais.

A adoção da metacognição enquanto uma das centralidades educacionais significa, por exemplo, ir além do conteúdo e bases curriculares mínimas, incluindo, com a mesma importância, como explorar as múltiplas conexões entre os saberes integrados e a preparação para aprendizagem integrada baseada em projetos, em trabalhos em equipe e em solução de problemas. Ao não conferirmos ao segundo item a mesma ênfase do primeiro, somado a executarmos o primeiro com severas fragilidades, têm como produto reduzirmos nosso potencial de enfrentamento, seja neste evento epidêmico ou dos que virão a seguir.

Certamente a crise na saúde, a partir também deste evento específico zika, somado à grave crise de baixa produtividade no trabalho, portanto deficiente nível de competitiva global, com consequente aumento de desemprego e clara dificuldade de crescimento econômico, social e ambiental sustentável, tornarão prementes uma ação do Estado via mobilizações coletivas. Tais ações somente serão eficientes e eficazes se associadas diretamente à educação. Nesse sentido, o espaço educacional não é periférico ou de uso eventual, mas de natureza central e essencial. Quanto mais demorarmos a perceber tais conexões, estaremos desperdiçando recursos, tempo e, especialmente, oportunidades.

Autor: Tags: