Publicidade

sábado, 28 de novembro de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 16:34

Anarquia, Estado e Educação

Compartilhe: Twitter

Embora anarquia, enquanto proposta ou teoria política, não atenda a uma definição única e imutável, a sua essência pode ser descrita como almejar uma sociedade na qual os indivíduos cooperem livremente entre si como iguais, sejam emancipados e, especialmente, não estejam sujeitos a qualquer forma de opressão. Assim, neste texto, anarquia não significa “sem Estado” e sim “cidadão emancipado” conjugado com “Estado não opressor”.

O anarquismo, assim entendido, se opõe a todas as formas de controle hierárquico excessivas, venham elas do Estado, de organizações ou de empresas, por serem danosas tanto ao indivíduo quanto à sociedade e, portanto, desnecessárias.

Em que pese a compreensão popular de anarquismo enquanto associado a movimentos contrários às ordens vigentes, o anarquismo tem uma tradição muito mais complexa e profundamente libertária, a qual não se reduz à simples oposição a governos. Os anarquistas se caracterizam principalmente pela contraposição à ideia ou conceito de que o poder e a dominação sejam elementos indispensáveis ou inevitáveis ao funcionamento da sociedade.

Anarquismo, assim visto, não se caracteriza por oposição à democracia, enquanto conceito, tampouco em contraposição às vertentes socialistas. Da mesma forma, não se reduz de forma simplista à negação pura e simples da noção de mercado ou de formas de capitalismo. Os focos prioritários e essenciais dos anarquistas estão nas liberdades e nas soberanias, individuais e coletivas, ancoradas na premissa de um Estado baseado na não-opressão, no estímulo à emancipação e no apoio às iniciativas cooperativadas e solidárias.

Não existe correspondência direta e simples entre metodologias educacionais e preferências políticas. Porém, indiretamente, há sim algum nível de correlação, embora, em geral, em nível complexo e, muitas vezes, difícil de entender. Podemos dizer que há pedagogias que priorizam processos emancipatórios e outras que não se preocupam com esses temas ou não os priorizam. Há abordagens centradas em estímulos à aprendizagem independente, preparando para educação permanente ao longo da vida, e outras que, diferentemente, geram e cristalizam as múltiplas dependências do educando, sejam elas dependências do professor, da escola ou de outros atores e ambientes educacionais.

Ao contrário da visão mais tradicional de “aprender”, as práticas educacionais emancipatórias são centradas no “aprender a aprender”. Para os educadores emancipadores, quanto aos processos avaliativos, mais relevante do que o “saber”, em oposição ao “não saber”, é considerar como estratégico o “saber resolver”. Ou seja, mais importante do que o quanto o aluno aprendeu é mensurar se, ao longo da aprendizagem, houve um amadurecimento acerca da consciência do educando quanto aos mecanismos de aprendizagem, entendendo melhor como ele aprende. Enfim, o crucial é se e o quanto o educando percebeu melhor como ele aprende.

A expectativa é que, de alguma forma, ao final do processo, profissionais formados via metodologias emancipatórias tenderiam a ser mais participativos, empreendedores, produtivos e menos dependentes de oportunidades geradas diretamente pelo poder público ou pelas demais estruturas hierárquicas institucionais da sociedade. No mundo da aprendizagem independente, mais do que futuros empregados, são formados, prioritariamente, profissionais e cidadãos que sabem aproveitar oportunidades, com reflexos positivos para eles e para a sociedade,

Portanto, formas de Estado e Educação se correlacionam, ainda que não diretamente, mas, é possível estabelecer algum nível de coerência entre os regimes e as respectivas pedagogias dominantes adotadas. Assim, é razoável supor que regimes políticos populistas ou autoritários tendam, quase que naturalmente, a estimularem metodologias educacionais mais tradicionais centradas em modelos de aprendizagem dependente. Se não o fazem de forma deliberada, o viabilizam por simples coerência e indução. Por sua vez, democracias mais participativas ou com ingredientes políticos mais simpáticos à emancipação do cidadão tendem à adoção de metodologias educacionais mais ativas, geradoras de desenvolvimentos sustentáveis, seja do ponto de vista econômico, social ou ambiental.

Autor: Tags: