Publicidade

Arquivo de novembro, 2015

sábado, 28 de novembro de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 16:34

Anarquia, Estado e Educação

Compartilhe: Twitter

Embora anarquia, enquanto proposta ou teoria política, não atenda a uma definição única e imutável, a sua essência pode ser descrita como almejar uma sociedade na qual os indivíduos cooperem livremente entre si como iguais, sejam emancipados e, especialmente, não estejam sujeitos a qualquer forma de opressão. Assim, neste texto, anarquia não significa “sem Estado” e sim “cidadão emancipado” conjugado com “Estado não opressor”.

O anarquismo, assim entendido, se opõe a todas as formas de controle hierárquico excessivas, venham elas do Estado, de organizações ou de empresas, por serem danosas tanto ao indivíduo quanto à sociedade e, portanto, desnecessárias.

Em que pese a compreensão popular de anarquismo enquanto associado a movimentos contrários às ordens vigentes, o anarquismo tem uma tradição muito mais complexa e profundamente libertária, a qual não se reduz à simples oposição a governos. Os anarquistas se caracterizam principalmente pela contraposição à ideia ou conceito de que o poder e a dominação sejam elementos indispensáveis ou inevitáveis ao funcionamento da sociedade.

Anarquismo, assim visto, não se caracteriza por oposição à democracia, enquanto conceito, tampouco em contraposição às vertentes socialistas. Da mesma forma, não se reduz de forma simplista à negação pura e simples da noção de mercado ou de formas de capitalismo. Os focos prioritários e essenciais dos anarquistas estão nas liberdades e nas soberanias, individuais e coletivas, ancoradas na premissa de um Estado baseado na não-opressão, no estímulo à emancipação e no apoio às iniciativas cooperativadas e solidárias.

Não existe correspondência direta e simples entre metodologias educacionais e preferências políticas. Porém, indiretamente, há sim algum nível de correlação, embora, em geral, em nível complexo e, muitas vezes, difícil de entender. Podemos dizer que há pedagogias que priorizam processos emancipatórios e outras que não se preocupam com esses temas ou não os priorizam. Há abordagens centradas em estímulos à aprendizagem independente, preparando para educação permanente ao longo da vida, e outras que, diferentemente, geram e cristalizam as múltiplas dependências do educando, sejam elas dependências do professor, da escola ou de outros atores e ambientes educacionais.

Ao contrário da visão mais tradicional de “aprender”, as práticas educacionais emancipatórias são centradas no “aprender a aprender”. Para os educadores emancipadores, quanto aos processos avaliativos, mais relevante do que o “saber”, em oposição ao “não saber”, é considerar como estratégico o “saber resolver”. Ou seja, mais importante do que o quanto o aluno aprendeu é mensurar se, ao longo da aprendizagem, houve um amadurecimento acerca da consciência do educando quanto aos mecanismos de aprendizagem, entendendo melhor como ele aprende. Enfim, o crucial é se e o quanto o educando percebeu melhor como ele aprende.

A expectativa é que, de alguma forma, ao final do processo, profissionais formados via metodologias emancipatórias tenderiam a ser mais participativos, empreendedores, produtivos e menos dependentes de oportunidades geradas diretamente pelo poder público ou pelas demais estruturas hierárquicas institucionais da sociedade. No mundo da aprendizagem independente, mais do que futuros empregados, são formados, prioritariamente, profissionais e cidadãos que sabem aproveitar oportunidades, com reflexos positivos para eles e para a sociedade,

Portanto, formas de Estado e Educação se correlacionam, ainda que não diretamente, mas, é possível estabelecer algum nível de coerência entre os regimes e as respectivas pedagogias dominantes adotadas. Assim, é razoável supor que regimes políticos populistas ou autoritários tendam, quase que naturalmente, a estimularem metodologias educacionais mais tradicionais centradas em modelos de aprendizagem dependente. Se não o fazem de forma deliberada, o viabilizam por simples coerência e indução. Por sua vez, democracias mais participativas ou com ingredientes políticos mais simpáticos à emancipação do cidadão tendem à adoção de metodologias educacionais mais ativas, geradoras de desenvolvimentos sustentáveis, seja do ponto de vista econômico, social ou ambiental.

Autor: Tags:

terça-feira, 17 de novembro de 2015 Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 07:42

Diamante: transformando escassez em abundância

Compartilhe: Twitter

Na semana passada, a empresa “Diamond Foundry” anunciou ser capaz de crescer, de forma eficiente, diamantes reais e perfeitos (até nove quilates) em somente duas semanas de trabalho em laboratórios. Segundo Peter Diamandis, CEO da Singularity University, esta novidade pode ter forte impacto no futuro da disponibilização de avanços tecnológicos, cruzando, no caso de diamantes, a barreira da escassez em direção à abundância plena.
A credibilidade no anúncio acima depende do nível do ceticismo de cada um, mas, aos mais incrédulos, bom recuperarmos a lição do alumínio. Em certa ocasião, conta a história, um artesão teria procurado o imperador Tiberius, conhecido por ter sido durante seu reinado que Jesus foi crucificado na Palestina, para presenteá-lo com um prato feito de um material brilhante, duro e incrivelmente leve. O imperador ficou surpreso, admirado e também ciumento do poder do artesão. Prevaleceu o último sentimento e o artesão foi, por ordem de Tiberius, decapitado imediatamente. Consta que o surpreendente metal nada mais era do que o alumínio e, consequentemente, a decapitação atrasou o seu conhecimento por mil e oitocentos anos, dado que o alumínio somente reapareceu no começo do século XIX, quando se transformou rapidamente no mais valioso metal da época.
A escassez do alumínio vem do processo químico a ele associado. Curiosamente, depois do oxigênio e do silício, o alumínio é, de fato, um dos mais abundantes elementos na crosta terrestre. Mesmo assim, não podemos simplesmente “cavar” alumínio porque ele está fortemente misturado e ligado na forma de óxidos e silicatos, em um material argiloso marrom chamado bauxita. Historicamente, o alumínio puro era tão difícil separá-lo da bauxita que ele se tornou tão raro e valioso como o ouro e platina. Em 1886, com a descoberta da eletrólise, tudo muda e a eletricidade mostrou-se fundamental para “liberar” o alumínio da bauxita. Assim, de repente, após séculos de escassez, todos passaram a ter acesso ao metal leve, brilhante, prático e, especialmente, barato.
O diamante é uma das formas alotrópicas do elemento carbono, tal qual o grafite, o amorfo “papel carbono” ou os mais recentes buckyballs ou nanotubos. O diamante decorre da forma cristalina própria com estrutura cúbica estável em pressões acima de 60 kbar, seja por ação da natureza ou sintetizada industrialmente, onde cada átomo de carbono esta ligado a outros 4 átomos de carbono por meio de fortes ligações covalentes tipo sp3 em um arranjo tridimensional tetraédrico. O diamante é o mais duro material de ocorrência natural que se conhece, com uma dureza de 10 (valor máximo da escala de Mohs). Isto significa que não pode ser riscado por nenhum outro mineral ou substância, exceto o próprio diamante, funcionando como um importante e estratégico material abrasivo.
Da mesma forma que a eletrólise fez o alumínio migrar de raro para abundante, a Google propiciou o acesso à informação plena, instantânea e gratuita. Similarmente, os celulares fazem a comunicação ser abundante ou a energia solar um dia propiciará energia acessível e ilimitada. Em suma, de acordo com Peter Diamandis, tecnologia contemporânea é essencialmente um mecanismo liberador de recursos e, portanto, revolucionária e transformadora.
Diamantes respondem por um comércio mundial da ordem da 15 bilhões de dólares por ano, associado a um complexo sistema de mineração, às vezes, acompanhado de conflitos, violência e corrupção. O anúncio recente, baseado em novas tecnologias que reproduzem em laboratório as condições similares com que a natureza forma diamantes, deve representar uma ruptura fundamental neste processo de transformação de escassez em abundância.
A Estácio, empresa brasileira do campo educacional, está completando este ano 45 anos de existência e tem como símbolo adotado o diamante. Os anúncios recentes do mundo dos diamantes dão mais sentido ainda à missão específica da Estácio de transformar a escassez de educação de qualidade, ou seja, qualidade para poucos, em abundância, no caso, educação de qualidade para muitos.

Autor: Tags:

domingo, 8 de novembro de 2015 aprendizagem, Educação e Tecnologia, Ensino Superior, Inovação e Educação | 10:56

O ENEM e o mundo contemporâneo

Compartilhe: Twitter

O Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, que nasceu com a finalidade de medir a qualidade do ensino médio, a partir do final da década passada passou a ser quase que exclusivamente um teste nacional de admissão ao ensino superior. O exame hoje abrange anualmente um público de quase oito milhões de candidatos, com perspectivas concentradas no interesse nas quase 250 mil vagas das universidades públicas federais e de milhões de outras oportunidades de ingresso no ensino superior privado.
Ao longo deste processo de transformação de finalidades, progressivamente, houve uma consequente cobrança maior por demonstração de profundidade no domínio de matérias como matemática, física, química, biologia, língua estrangeira, história, geografia e redação. A questão é que profundidade passou a ser entendida como sendo basicamente, ainda que não exclusivamente, capacidade de memória, habilidade de responder questões no tempo previsto e atestado formal de domínio de itens supostos essenciais a ingressantes em cursos superiores.
Se o mundo contemporâneo apresenta novidades substantivas, entre elas estão as consequências resultantes do ingresso acelerado em uma sociedade onde a informação está, cada vez mais, total e instantaneamente acessível, bem como gratuitamente disponibilizada. Assim, pode ser que simplesmente separar os candidatos entre os que sabem e os que não sabem seja menos relevante do que, principalmente, selecionar e induzir talentos associados aos que sabem resolver. Claro que saber resolver tem a ver com saber, mas vai além, significando fazer uso das informações disponíveis para apresentar soluções a problemas que se caracterizam por serem mais complexos e menos associados a simplesmente saber em oposição simples a não saber.
Neste novo cenário, a capacidade de interpretar textos, fazendo uso de dados disponibilizados, o uso do raciocínio crítico e da lógica, e especialmente um conjunto de atributos metacognitivos, que vão além dos processos cognitivos mais simples, passam a desempenhar um papel cada vez mais relevante e tais elementos deveriam estar expressos, cada vez mais, nos testes.
Por exemplo, uma questão curta e objetiva, ainda que bem formulada, se sua solução depende principalmente de memória e do domínio de técnicas e procedimentos padrão ela é substancialmente diversa de uma questão onde a ênfase está em apresentar no seu enunciado boa parte dos dados que serão importantes para a solução do problema proposto. A segunda estratégia, diferentemente da primeira, mensura foco, interpretação adequada de texto, capacidade de raciocínio e de adoção estratégias metacognitivas. Ou seja, estaríamos medindo, ainda que indiretamente, o nível de amadurecimento da consciência adquirida pelo educando acerca dos mecanismos de aprendizagem que o habilita na sua capacidade de aprender a aprender continuamente em um contexto de educação permanente ao longo da vida.
Em outras palavras, o ENEM, como ele é hoje, visa, principalmente, a selecionar e distinguir entre os que sabem e os que não sabem. Porém, tem grandes dificuldades em aferir aqueles que sabem resolver, em especial resolver à luz das informações amplamente disponíveis que caracterizam a sociedade contemporânea.
A relevância maior deste fato é que, ao não percebermos claramente aqueles que a partir das informações disponibilizadas sabem resolver bem como deixar de induzir as escolas a adotarem procedimentos que resultem dessa percepção, deixamos de captar e estimular os verdadeiros talentos que podem ajudar a liderar a melhoria de nossa produtividade e, consequentemente, a conduzir um desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável.

Autor: Tags: