Publicidade

segunda-feira, 31 de agosto de 2015 Sem categoria | 16:10

Rio, onde é normal ser diferente

Compartilhe: Twitter

Toda cidade tem sua alma, tal qual ser vivo que de fato é. Decifrá-la é tarefa muito complexa. Fazê-lo projetando a cidade para meio século depois, tentando imaginar como ela será ou como gostaríamos que ela se tornasse, é um desafio gigantesco. Esta semana participei no Rio de Janeiro de um evento onde a questão a ser respondida era qual a cidade que a gente quer para daqui a 50 anos. Construir coletivamente uma resposta é justamente o objetivo do Projeto Visão Rio 500, parte integrante das celebrações dos 450 anos da cidade fundada por Estácio de Sá em 1565. O debate promovido pela Prefeitura se pretende aberto para a sociedade, com uso intenso de plataformas colaborativas e assentado na formação de rede de instituições parceiras. Assim, via o estabelecimento de diálogos com o futuro, o fruto desejado é contribuir com a visão da cidade para os próximos 50 anos, com a intenção explícita de colher elementos que possam nortear a escolha das estratégias, bem como definir as correspondentes prioridades para os próximos anos. O espírito carioca, coerente com sua propensão à bondade, tende a expressar a sua marcante solidariedade com as causas das minorias e dos menos favorecidos. Igualmente, coerente com o perfil do cidadão médio imaginário, é inerente entender a tolerância como predicado associado a um povo que se enxerga principalmente fraterno. Na qualidade de “estrangeiro” e quase recém-chegado, só me cabe testemunhar a favor desses atributos, incluindo o clima cosmopolita e a boa receptividade aos “estranhos”. Elementos esses que vão além da autoimagem, portanto, com raízes razoavelmente fincadas na realidade do comportamento do dia a dia. Ao se procurar escolher um slogan que melhor retrate a cidade naquilo que dela se espera nos seus 500 anos, preponderam, na maioria das sugestões, estímulos à tolerância, manifestos de intenção de que a cidade seja apropriada igualmente por todos e elogios a aspectos de cidadania e de liberdade. Confesso que tenho apreço pela tolerância, mas dela desconfio. Talvez influenciado por uma frase lapidar de Raquel de Queiroz: “tolerância é apenas paciência com um pouco de antipatia”. Da mesma forma, pouco me atrai uma ingênua igualdade, a qual, salvo a igualdade de oportunidades, não sei se desejável na sua forma mais literal e estrita. Nem sei se bem-vinda uma liberdade mal definida, a qual no exercício da sua versão individual nem sempre se mostra compatível com o coletivo, ou vice-versa. Restando a admirável fraternidade cidadã, melhor expressa na forma de empatia, ou seja, de sabiamente entender o outro por se colocar no lugar do outro. Foi então que me veio à mente um slogan que tenha, de fato, a cara do Rio que vemos e reflita aquilo que desejamos para o planejado futuro: “um espaço territorial em que seja normal ser diferente”. Este slogan, no passado, serviu e serve aos portadores de síndrome de Down, mas certamente é suficientemente  inclusivo e extensível a todos. Enfim, o slogan “onde é normal ser diferente” conjuga bem com a requalificação do espaço público, onde todos cabem, com a ampliação de oportunidades de encontro e o reconhecimento do diferente e, especialmente, a universalização do acesso às benfeitorias urbanas. O mais importante é que o Rio, premiado por uma singular beleza herdada de uma natureza exuberantemente pródiga e habitado por um povo alegre e criativo, se permita a, solidariamente, expressar suas múltiplas diferenças. Diferenças que muito mais que toleradas, devam ser naturalizadas por meio do acatamento pleno. Ou seja, em poucas palavras, que aqui no Rio seja totalmente normal ser diferente.

Autor: Tags: